Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Romance Epistolar de Lurdes Maravilha
Romance Epistolar de Lurdes Maravilha

ROMANCE EPISTOLAR
 
Novo romance da escritora Lurdes Maravilha passa-se em Portugal e Brasil.
O cenário onde se desenvolve o romance epistolar, é o meio Rural de Colo de Pito em Castro Daire - Portugal
O romance epistolar, uma troca de cartas entre a escritora Lurdes Maravilha e a escritora Luisa Ramos. O Romance estende-se ao Brasil e entre Colo de Pito e o Algarve.
Apresentamos uma das Cartas que fazem parte do romance.

 

"Querida irmã!

Já cheguei! Li e reli a tua carta, mas perdoa-me por só agora te responder. Estive ausente alguns dias, em trabalho, mas a tua carta dormiu secretamente na caixa do meu correio. Confesso que fiquei muito confusa e assustada com o conteúdo da mesma.Ontem, quando a li , amarrei-a no meu peito e fui logo para o rio do Vidoeiro.

Eu precisava muito de descansar à sombra daquele nosso amieiro e reencontrar a paz para perceber e aceitar o conteúdo desta tua mensagem,mesmo com muita revolta . Percebi de imediato e sei que o silêncio vale ouro! Na sombra daquele amieiro sonhei em mandar parar o tempo e recuar mais uma vez à lembrança do nosso derradeiro abraço. Aquele abraço de fugida, mas que nunca se perdeu! E por não se perder vim reencontrar no silêncio desta paragem a paz para reunir algumas parcelas da tua vida, da minha vida, da nossa vida! E na junção destas parcelas embrenhei-me de novo nas águas correntes das tuas e das minhas saudades.

Saudades sim, Rosa porque quando venho a este rio, lembro-me sempre onde escondíamos a nossa roupa, para que nenhum aventureiro a roubasse. Lembro-me sempre das vezes em que fugia ao pai e à mãe para aqui mergulhar. E aquelas tantas vezes em que eu desafiei o pai dizendo-lhe que quando atingisse a maior idade, a minha vida seria nadar e nadar sem em mim ninguém mandar!... 

Eu sei que muitas das vezes tive logo como troco a esse meu desafio, a ligeireza de uma bofetada que doía muito , mas os meus olhos viram também algumas vezes o isento dessas mãos nos bolsos libertado pelo brilho de um sorriso disfarçado pensando que eu não dava conta. O pai era assim e nada mais havia a fazer, mas ele sabia bem que eu adorava nadar. Nunca me escapavam as lavagens do gado pelo S. Pedro, onde o tempo na água era longo porque tínhamos que nos ajudar uns aos outros. E aquele carneiro preto? Que louco! Tão difícil de agarrar que até o pai dizia que ele trazia o diabo no pelo, por tanto correr. Agora se tu visses, tudo está diferente. Só há dois rebanhos e bem perto do rio o fogo também já devastou grande parte da vegetação. Não te assustes porque a nossa gruta contínua linda e airosa. A minha segunda casa porque continuo a tratar de tudo como dantes.

Continuando a responder às questões da tua carta, quero dizer-te que ainda sinto uns arrepios porque nem este calor abrasador me consegue aquecer a alma. Estou assustada minha irmã! Muito! É por isso que estou assim. Encontrei-me também com a irmã Elisabete, que veio visitar a sua mãe.A Tia Júlia está muito mal e já nos seus derradeiros dias. A Elisabete continua bonita e serena, assim como a vimos desde o dia da sua partida para o convento. Já lá vão tantos anos! Falamos muito de ti. Do teu passado... Sabes que não foi fácil para os pais suportarem a tua fuga. No fundo o pai ainda com o seu ar de redentor (abafado), tentava acalmar o coração aflito da mãe, mas eram outros tempos e outros ventos, vividos sobre as diretrizes rígidas quer a nível político, social e sobretudo religioso.

O que o António fez de ti durante uma vida!? Não te vou fazer mais perguntas sobre os maus tratos físicos e psicológicos que esse ordinário te causou, mas por favor não deixes adormecer o rasto do teu passado, porque precisas muito desse instinto para contracenares o teu presente no vértice audaz do teu futuro. Sim audaz, como foste naquele dia frio de fevereiro quando fugiste sem bagagem à procura de uma mala cheia de sonhos. Sonhos desfeitos e outros refeitos, mas por favor, Rosa, promete-me que nunca vais fechar a janela da memória ao teu maior sonho. O abraço aos teus filhos! Prometes-me? Eu, nada preciso de te prometer a não ser o calor do sangue que me escorre nas veias porque é teu também. Pela estrada deste sangue consigo ver a espessura e a fortaleza desse mar azul que ainda te aconchega. 

Por isso, peço-te que fiques tranquila. O Dr. Carlos René Oliveira continua nas suas investigações, e imagina que se cruzou no Brasil, com o nosso amigo e conterrâneo Dr. Luís de Portugal II e reuniram de imediato em prol da tua situação. Sim o Luís de Portugal II, aquele menino rebelde, mas que já amava tanto o teatro. Hoje é um grande ator, estudou nas melhores universidades da Europa e tem pisado os mais famosos palcos do mundo. Imagina que agora é o diretor artístico da casa do concelho de Castro Daire, em Lisboa ! Por isso muita fé porque a investigação continua. O nosso irmão Jose Maravilha já mandou o corpo de intervenção de fuzileiros para o terreno. A Cristina Maravilha foi ao lar como me pediste, mas disseram-lhe que o António tinha ido passar o fim de semana com um familiar. Confesso que fiquei intrigada com a noticia que lhe deram, mas sei que de imediato, o Dr. Manuel Dória Vilar partiu para outras pistas de investigação. 

Hoje, não te posso dizer mais nada, apenas que aguardes com serenidade e fé o desenrolar de todos os processos.
Vou dizer-te um segredo só ao teu coração, amanhã, quero partir para te ver……

O nosso abraço querida irmã Rosa (Luisa Ramos)

Gosto muito de ti!!

Lurdes Maravilha


 Rio Vidoeiro