Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Quem Quer Saber (de) Ciência?
Quem Quer Saber (de) Ciência?

QUEM QUER SABER (DE) CIÊNCIA?

 

“Eu vivo pensando:  talvez, se eu entendesse um pouco de ciência, a história da minha mãe e da minha irmã não me assustasse tanto.”  Essa é uma afirmação de Deborah Lacks, transcrita do livro A vida imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot, versão em português publicada em 2011 pela Companhia das Letras.  Deborah falava de seu sofrimento por não compreender o significado da vida de sua mãe, Henrietta, para a ciência e a doença de sua irmã, Elsie.  Henrietta Lacks foi uma mulher negra e pobre do sul dos Estados Unidos, vitimada por um violento câncer de colo de útero, do qual foram extraídas células mantidas em cultura para o estudo da biologia do câncer e de outros fenômenos celulares.  São as células HeLa, fundamentais para o desenvolvimento da vacina contra a poliomielite, entre outros avanços na área biomédica.  A contribuição das células HeLa para a ciência, bem como os desdobramentos bioéticos, são imensuráveis.  Sua filha Elsie foi internada no Centro Hospitalar Crownsville (Hospital para Negros Insanos) ainda criança e lá morreu com diagnóstico de idiotice.  Na verdade, possivelmente era portadora de epilepsia e de sequelas neurológicas de uma sífilis congênita.  Existem suspeitas de que tenha sido utilizada em experimentação humana.  Todos esses acontecimentos se deram sem o conhecimento da família Lacks, entre 1950 e 1960, época em que a regulamentação das pesquisas envolvendo seres humanos emergia de horizontes nebulosos e a Bioética não era ainda uma ciência estabelecida.  Quase 50 anos depois, Deborah Lacks julgava que entender melhor a ciência poderia tê-la ajudado a sofrer menos.  E eu me pergunto:  o que seria “entender a ciência”?  Como alcançar esse “entendimento”?

Meu lastro teórico para essa discussão é bastante limitado.  Assim, o que apresentarei constitui-se de breves relatos de minha experiência com divulgação científica, acompanhados de reflexão livre.  Expressarei, sobretudo, dificuldades.  Dificuldades que pesquisadores possuem para apresentar os resultados e as implicações do seu trabalho aos cidadãos não envolvidos com o fazer científico.  Dificuldades para compreender e se fazer entender.  Dificuldades para dialogar, romper barreiras culturais (sim, porque entendo a ciência também como uma cultura).  Nesse sentido, talvez seja mister apresentar minhas credenciais científicas, que darão notícia das minhas deficiências filosóficas e do meu domínio circunscrito de conhecimento:  farmacêutica, farmacologista experimental e pesquisadora na área de desenvolvimento de fármacos há quase 30 anos.

Ao longo de minha carreira, participei de inúmeras entrevistas e debates, proferi palestras e publiquei textos na imprensa  leiga, em princípio com a finalidade de informar à população as evidências científicas nos meus domínios de atuação.  Registro e qualifico esse tipo de atividade como “de educação e popularização em ciência e tecnologia” no meu currículo na Plataforma Lattes do CNPq e nos Relatórios de Atividades dos Programas de Pós-graduação aos quais estou ligada.  São iniciativas que aos poucos vêm sendo reconhecidas como atividades-fim do pesquisador.  Contudo, na maioria das vezes, sinto que meu discurso de pesquisadora não se acomoda no tempo, no espaço e na linguagem da mídia e que, talvez, também não se alinhe à perspectiva do espectador/ouvinte/leitor.  Parece-me que há ainda um despreparo do cientista e da imprensa (que pode também não estar efetivamente interessada) para essa comunicação.

Segundo o CNPq, a divulgação científica é uma atividade complexa pela qual os conhecimentos científicos e tecnológicos são colocados ao alcance da população para que esta possa utilizá-los nas suas ações cotidianas e tomadas de decisão.  No Portal do CNPq, há uma aba denominada “Popularização da Ciência” que lista os seguintes meios e instrumentos de divulgação científica:  congressos, seminários, colóquios, palestras, conferências, publicações variadas (livros, revistas, jornais, folhetos), museus com exposições abertas ao público, jardins botânicos, planetários, filmes, vídeos, programas de rádio e TV, internet, centros de ciência e parques temáticos, incluindo escolas, faculdades e universidades.  Mas qual a efetividade de tudo isso em alcançar as Deborahs Lacks de nosso país?  Não se tem medida.

Não me refiro apenas à dificuldade de acesso de grande parte da população à educação formal de qualidade, aos serviços de saúde e aos bens culturais.  Refiro-me a algo um pouco mais difuso e difícil de quantificar:  a descrença, a negação da ciência enquanto um bem humano!  A reportagem de capa da mais recente edição da revista National Geographic intitula-se Guerra à Ciência e relata, por exemplo, que um terço dos norte-americanos acredita que os seres humanos existem desde o princípio do mundo e que o movimento antivacinação se alastra nos Estados Unidos.  E esses fenômenos não parecem estar diretamente relacionados a baixos níveis educacionais ou socioeconômicos.

Em 2013 , quando ativistas pró-direitos dos animais invadiram o Instituto Royal, em São Paulo, e de lá retiraram cães utilizados em pesquisas de novos medicamentos, tive a oportunidade (por conta de minha atuação como Coordenadora da Comissão de Ética no Uso de Animais da UFRGS) de conversar longamente com vários profissionais sobre o tema, entre eles jornalistas e políticos, e fiquei impressionada com a ignorância e o preconceito científicos que testemunhei.  Na verdade, não foi uma experiência nova, apenas mais contundente, pelo clima apaixonado que a cercou.  Tive essa mesma impressão outras vezes em instâncias profissionais e também na esfera das relações pessoas, ao discutir temas de meu domínio, como as potencialidades e limitações da utilização de plantas na terapêutica, a gênese e o tratamento farmacológico das doenças mentais.  A maioria das pessoas leigas simplesmente desconhece como funciona a ciência e os preceitos éticos e legais que normatizam e regulam o fazer científico.  Mesmo assim, emite opiniões incisivas sobre o que considera certo ou errado em ciência e o que supõe constituir a práxis e a motivação dos cientistas.

 

Também entre cientistas, quando entram em cena diferentes esferas da ciência, o diálogo não é fluído.  O fazer científico não é uno.  Um cientista social pode se comportar como um leigo cético diante de um cientista exato, e vice-versa.  São os guetos científicos, por assim dizer.  A perspectiva e os parâmetros de valoração de quem trabalha com ciências humanas são diferentes dos daqueles que trabalham com ciências exatas ou biológicas, por exemplo, ainda que seja intrínseca uma convergência:  a necessidade de interpretação da realidade, a busca de elementos para decidir no que acreditar ou deixar de acreditar e em que se basear para tomar decisões.

À procura de conforto intelectual, poderíamos supor que se trata apenas de uma necessidade de harmonização entre diferentes linguagens.  De fato, muitas vezes trabalhamos a decodificação da linguagem de determinado domínio científico para uma linguagem compreensível ao leigo como se fosse esse o único obstáculo a ser transposto para a sua divulgação e popularização.  Mas é bem mais do que isso.  Ou, então, acreditamos que a popularização da ciência se dará, sobretudo, pela expansão das possibilidades de inclusão de setores historicamente desfavorecidos da população ao mundo do fazer científico.  Por certo que é uma meta a ser trabalhada com determinação, mas penso que as raízes do problema são também metafísicas e políticas, no mais amplo sentido que essas palavras possam ter.

O método científico não é algo natural para a maioria das pessoas.  Ele conduz a verdades pouco evidentes, que muitas vezes contrariam o senso comum construído pelo que os sentidos humanos permitem registrar.  O método científico busca rejeitar hipóteses, enquanto o ser humano almeja a confirmação de suas certezas preconcebidas.  A ciência não nos garante verdades confortáveis e eternas.  Ela traz conhecimento, mas nem sempre alívio.  Por vezes, desampara e, ao mesmo tempo é instrumento de poder; poder tradicionalmente destinado a poucos.  Arrisco, então, dizer que a negação das evidências científicas pode ser também a expressão de uma sinuosa busca de segurança, autonomia e empoderamento.É um paradoxo, pois me parece que a verdadeira autonomia, e todas as suas consequências libertadoras, reside justamente na apropriação da ciência por parte do indivíduo.  E não vejo forma mais eficiente nem mais urgente de alcançar isso do que a internalização da ciência e do método científico por crianças em idade escolar.  para além da informação está a formação!  Nesse sentido, é importante destacar iniciativas de agências de fomento, como os Programas Novos Talentos e Picmel, da Capes e Fapergs, respectivamente, que oferecem aos professores e estudantes do ensino básico de escolas públicas a oportunidade de fazer ciência em parceria com as universidades.

O indivíduo precisa viver o alumbramento da descoberta e, ao mesmo tempo, entender  que a descoberta não é fruto da iluminação de uns poucos, mas do trabalho coletivo, do exercício constante de um método que todos podem aprender.  No processo de divulgação, popularização e democratização da ciência, é imperativo desmitificar o cientista, que precisa ser visto como uma pessoa que teve um treinamento especializado, passível de erro e sujeito a pressões, como tantos outros profissionais.  Roberto Lent, neurocientista e um dos fundadores das revistas Ciência Hoje e Ciência Hoje das Crianças, diz que o mito do cientista genial afasta as pessoas, fazendo-as pensar que a ciência não é para elas ou para suas famílias, porque não são geniais.  É a porta aberta para o obscurantismo, o dolorido assombro de Deborah Lacks!

 

Por Stela M.K.Rates/Pesquisadora do CNPq e coordenadora do PPG em Ciências Farmacêuticas da UFRGS.

Pesquisa/Postagem:  Nell Morato