Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Quem Aí Acredita no Jornalismo?
Quem Aí Acredita no Jornalismo?

QUEM AÍ ACREDITA NO JORNALISMO?

 

Eu cresci acreditando que o jornalista é o principal representante do povo.  Descobri por instinto que o repórter já acorda pensando no que vai ser notícia.  Que devemos ir pra rua, colocar o pé no barro em busca da matéria-prima do nosso trabalho:  as histórias.  Pegamos o nosso bloquinho junto com os equipamentos e vamos ouvir todos os lados para que o público construa a sua própria verdade.

O bom repórter também lê muito para oferecer conteúdo qualificado e confiável ao público.  Ah!  Ele também está sempre antenado.  Uma simples conversa de família ou um panfleto pode crescer e virar pauta, basta seguirmos a nossa intuição.  Também estudamos planilhas, dados, portais de acesso para fechar reportagens completas, relevantes e de utilidade.  Às vezes, chegamos a correr riscos para denunciar o erro, a falha, a corrupção.

O repórter se importa.  Ele cobra das autoridades não apenas por ofício.  Aliás, acho que o jornalista tem uma missão, uma responsabilidade que está muito acima de uma profissão.  E olha, chamamos de senso de coletividade, mas na verdade há um desejo oculto:  mudar o mundo.  Essa atividade é pra quem acredita.  E sinceramente, eu acredito.

Acredito numa nova fase, em que toda essa Revolução da Comunicação esteja servindo para aproximar as pessoas.  É o mobile que agrega, que constrói e que nos faz inovar e sair da zona de conforto.  Desde os protestos de junho de 2013, tenho refletido muito sobre o papel do jornalista e como o público vê o nosso trabalho.  Cheguei a várias conclusões, mas a que mais importa é que eu quero que o jornalista volte a ser visto como a voz da sociedade, o watchdog!

Eu acredito que o público vai ser cada vez mais participativo e se apropriar mais e mais dos espaços de comunicação para construir um jornalismo mais plural, colaborativo e que esteja pronto para se reinventar quantas vezes forem preciso conforme os anseios do nosso tempo.

 

Fonte:  ZeroHora/Vanessa da Rocha/Jornalista da TVCOM (vanessa.rocha@tvcom.com.br) em 24/10/2015