Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                             

                            

 

 

 


Primeira Fase do Modernismo
Primeira Fase do Modernismo

 

 

PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO

 

Saindo de São Paulo e do Rio de Janeiro, as ideias modernistas espalham-se pelo Brasil, gerando polêmicas e contribuindo para a formação de diversos grupos de vanguarda.  É a primeira fase do Modernismo.

 

GRUPOS E TENDÊNCIAS MODERNISTAS

Na primeira fase do Modernismo, que vai de 1922 a 1930, surgiram várias revistas de arte, todas de curta duração: Klaxon (1922, São Paulo); Estética (1924, Rio de Janeiro); A Revista (1925, Minas Gerais); Madrugada (1925, Rio Grande do Sul).  Surgiram também vários grupos de escritores com propostas diferentes quanto à nova literatura.

 

MOVIMENTO PAU-BRASIL

Lançado em 1924 por Oswald de Andrade, apresenta uma posição primitivista, buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do mundo e do Brasil.  Exalta o progresso e a era presente, ao mesmo tempo em que combate a linguagem retórica e vazia.

MOVIMENTO VERDE-AMARELO E GRUPO DA ANTA

Recusando todo e qualquer contágio com ideias europeias, este movimento é uma reação às intenções primitivistas do Movimento Pau-Brasil.  Liderado por Cassiano Ricardo, Menotti del Picchia, Plínio Salgado e outros, o grupo acabou caindo num nacionalismo ufanista, escolhendo como símbolo de suas ideias a anta, animal que tinha uma função mítica na cultura tupi.  Esse movimento converteu-se, em 1926, no chamado Grupo da Anta, que seguiu uma linha de orientação política nitidamente de direita, da qual sairia, na década de 1930, o Integralismo de Plínio Salgado.

MOVIMENTO ANTROPOFÁGICO

Lançado com a publicação da Revista de Antropofagia, preparada por Oswald de Andrade, Antônio de Alcântara Machado, Tarsila do Amaral e outros, esse movimento foi um desdobramento do primitivismo Pau-Brasil e uma reação ao nacionalismo Verde-Amarelo.

 

MÁRIO DE ANDRADE

Mário Raul de Morais Andrade (1893-1945) foi pesquisador incansável, interessou-se pelas mais variadas manifestações artísticas, escrevendo sobre literatura, folclore, artes plásticas, música etc.  De sua produção literária, destacam-se os seguintes livros:

POESIA

Há uma gota de sangue em cada poema; Paulicéia desvairada; Losango cáqui; Clã do Jabuti; Remate de males; Poesias; Lira paulistana.

PROSA

Primeiro andar (contos); Amar, verbo intransitivo (romance); Macunaíma: O herói sem nenhum caráter (rapsódia); Belazarte (contos); Contos novos.

MACUNAÍMA

Essa obra é construída a partir de um conjunto de lendas a que se misturam superstições, provérbios, anedotas e elementos fantásticos.

Macunaíma tenta reaver o amuleto prodigioso (a muiraquitã), que ganhara de sua mulher, Ci, Mãe do Mato, único amor sincero de sua vida, e que por desgosto pela morte do filho pequeno subiu aos céus e transformou-se na estrela Beta do Centauro.  Macunaíma havia perdido esse amuleto, que acabou ficando em poder do gigante Piaimã, em São Paulo.  Depois de várias façanhas recupera o amuleto, mas perde-o novamente e fica todo machucado.  Desiludido, resolve abandonar este mundo e subir aos céus, onde é transformado em constelação.

 

OSWALD DE ANDRADE

Oswald de Andrade (1890-1954), com seu espírito irrequieto, foi uma das figuras mais dinâmicas do movimento modernista.  Nas suas viagens à Europa, entrou em contato com ideias vanguardistas, que depois divulgou no Brasil.  Exerceu inúmeras atividades ligadas à literatura: jornalista, poeta, romancista e autor de peças teatrais.

Suas primeiras obras em verso são: Poesia pau-brasil (1925; Primeiro caderno do aluno de poesia Oswald de Andrade (1927); Poesias reunidas (1945).  Na prosa merecem destaque: Memórias sentimentais de João Miramar (1924); Serafim Ponte Grande (1933); os condenados (1941), título geral dado à Trilogia do exílio, composta de Os condenados (1922), estrela de absinto (1927), A escada (1934); Marco zero I: a revolução melancólica (1943); Marco zero II: chão (1945).  Escreveu ainda, para o teatro, as seguintes peças: O homem e o cavalo (1934); A morta (1937) e O rei da vela (1937).

Fugindo totalmente dos modelos literários da época, Oswald criou uma obra poética original, plena de humor e ironia, numa linguagem coloquial que surpreende pelos achados e pela maestria com que soube utilizar as potencialidades da língua portuguesa.

No campo da prosa, duas obras de Oswald de Andrade abriram novas perspectivas para a pesquisa e o desenvolvimento da linguagem literária moderna: memórias sentimentais de João Miramar e Serafim Ponte Grande. Rompendo com a tradição literária, essas obras apresentam a justaposição de breves capítulos, nos quais a prosa e a poesia se fundem para criar um estilo original.

 

MANUEL BANDEIRA

Surgidos antes da Semana de 22, os dois primeiros livros de Manuel bandeira (1886-1968), A cinza das horas e Carnaval, já mostram certa liberdade formal, embora mantenham um tom lírico e melancólico, que lembra o simbolismo do começo do século.

Em Ritmo dissoluto (1924), o poeta usa o verso livre e desenvolve temas populares numa linguagem simples e comunicativa.  O tom de sua poesia, porém, continua melancólico, e seus temas giram em torno do tempo que passa, da morte, das saudades da infância.  O poeta alcança o ponto alto como modernista no livro Libertinagem (1930), no qual desenvolve plenamente sua linguagem coloquial e irônica, atingindo grande dramaticidade.

Dono de um lirismo muito pessoal, Manuel Bandeira conseguiu expressar com grande sensibilidade os momentos e as emoções que marcam a existência humana; por isso sua poesia é universal.

 

ANTÔNIO DE ALCÂNTARA MACHADO

Embora não tivesse participado da Semana de 22, Antônio de Alcântara Machado (1901-1935) foi um dos mais ativos escritores do movimento modernista e colaborou em várias revistas.  Apesar da curta vida, escreveu bastante: crônicas (Pathé baby e Cavaquinho e saxofone), contos (Brás, Bexiga e Barra funda e Laranja da China, que foram reunidos no livro Novelas paulistanas, publicado em 1965) e um romance inacabado (Mana Maria).

Alcântara Machado foi o principal contista da primeira fase do Modernismo.  Atento às transformações pelas quais passava a cidade de São Paulo, observou, principalmente, uma figura que começava a se tornar cada vez mais presente no dia-a-dia da cidade: o imigrante italiano.