Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
9





                                              

                            

 

 

 


Planejamento Didático
Planejamento Didático

 

PONTOS PRINCIPAIS DA AULA

PLANEJAMENTO DIDÁTICO E OS ELEMENTOS QUE O CONSTITUI:

Objetivos educacionais

Conteúdos Escolares

Metodologia de Ensino

Recursos Didáticos

Avaliação

 

A aula é o lugar de concretização do ensino. Lugar do encontro e do conflito, onde se expressam os sujeitos no processo ensino-aprendizagem. Embora todos participem da construção desse momento, a aula é uma experiência conduzida pelo professor, é a expressão do seu projeto de trabalho.

Geralmente, o professor se apóia em alguns modelos confiáveis para conduzir a sua aula: os modelos de aula que ele vivenciou como aluno ou que experimentou como professor e, que no seu julgamento, “deram certo”. Porém, cada aula é uma experiência nova, que impõe desafios e oportunidades próprias.

Assim, tanto o plano de ensino quanto o plano de aula servem como um guia da prática (planejamento da ação docente).

Como elemento de comunicação entre alunos e professores, o plano de ensino deve seguir algumas recomendações.

  • Ser flexível às situações vivenciadas.
  • Ser objeto de negociação do trabalho a ser desenvolvido em grupo, estimulando a autonomia, a capacidade de organização e o comprometimento de todos.
  • Permitir o registro da experiência pedagógica, a memória do que se pensou/ negociou realizar e a anotação do que de fato pode ser feito, as impressões mais imediatas do grupo, de modo que se torne material de referência para outros projetos.

 

 

E possível que você esteja se perguntando...

O que deve ser considerado na elaboração de um plano de aula?

Como fazer para interagir os diferentes elementos da situação didática na elaboração de um plano de aula?

Quais os critérios para seleção de conteúdos e estratégias?

 

 

Existem vários formatos de plano de ensino. No entanto, em praticamente todos os modelos encontramos alguns elementos comuns: Identificação, Objetivos, Conteúdos, Estratégias, Recursos, Avaliação, Cronograma e Bibliografia. A seguir, você conhecerá cada um desses elementos.

Discrimina a instituição, o nível de ensino, a área do conhecimento, os grupos atendidos e quaisquer outras informações que se considerem relevantes para identificar as características básicas do universo onde se insere a ação educativa objeto do plano.

 

ESCOLA: E.E. DOM PEDRO II

DISCIPLINA: Sociologia

PROFESSOR: Maria Regina Bortolini

CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 horas/aula

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 horas/aula

HORÁRIO: 6ª f.: 07h as 08h 40min

GRAU: Ensino Médio

TURMA: 1001

TURNO: manhã

ANO: 2009

 

 

Objetivos

 

Traduzem os resultados esperados, indicam aquilo que o aluno deverá ser capaz de fazer. Em geral, referem-se a conhecimentos, habilidades e atitudes que se espera que o aluno possa adquirir/desenvolver.

 

Existem diversos tipos de objetivos. Estes podem ser classificados quanto à sua área de abrangência ou à área do processo de aprendizagem que pretendem atingir.

 

Conteúdo

 

Trata-se do conjunto de assuntos, temas, conceitos e teorias que serão trabalhados, selecionados e organizados a partir dos objetivos definidos. Além da afinidade com os objetivos, alguns critérios devem ser considerados na seleção dos conteúdos.

 

Os conteúdos podem ser organizados em áreas de conhecimento, em torno de temas geradores ou ainda de outras formas de acordo com o modelo curricular adotado. Algumas questões parecem problemáticas quando falamos da seleção de conteúdos e devem ser objeto de reflexão dos professores quando estiverem elaborando seus planos.

 

SOBRE OS MÉTODOS DE ENSINO

OBS1: Não há um método, procedimento melhor do que o outro.

OBS2: É muito importante ficar atento às necessidades dos alunos porque uns podem aprender sobre os vegetais lendo e outros observando e chegarem aos mesmos objetivos/resultados.

OBS3: Requer criatividade do professor.

 

Formulações explícitas das mudanças que se espera que ocorram nos alunos mediante o processo educacional, isto é, mudanças que ocorram no pensamento, no sentimento e nas ações dos alunos.

 

Não existem estratégias “boas” ou “más”, mas aquelas que são mais ou menos adequadas aos objetivos que pretendemos alcançar, aos grupos envolvidos e às nossas condições de trabalho. No entanto, quando se busca uma aprendizagem significativa, alguns critérios devem ser considerados na seleção das estratégias para se obter melhores resultados.

 

AS ATIVIDADES OU EXPERIÊNCIAS DE APRENDIZAGEM PODEM SER CONSIDERADAS SOB DUAS ABORDAGENS:

Dedutiva – o professor apresenta uma generalização, uma ideia, um conceito geral, uma regra e solicita que o aluno aplique fatos particulares.

Indutiva – professor apresenta casos particulares (ponto de partida) e tem como ponto de chegada a teoria.

 

 

Geralmente, pede-se a indicação da bibliografia básica (aquela que obrigatoriamente será estudada) e da bibliografia complementar (aquela indicada para o aprofundamento dos estudos).

 

A bibliografia deve ser sempre atualizada e selecionada de acordo com os interesses e nível de desenvolvimento dos alunos.

 

TÉCNICAS/ESTRATÉGIAS DE ENSINO:

Aulas expositivas                          

Aula expositiva dialogada              

Situações-problema

Grupo de discussão                 

Forum; ambientes virtuais

Aula-passeio

Aula prática

Pesquisa (orientação)

Método da problematização (temas geradores)

 

                             

DIFICULDADES DE APLICAÇÃO:

Barulho, turmas cheias, salas antididáticas

 

 

Como vimos, todos os elementos que fazem parte do plano de ensino podem ser organizados de modos diferentes, de acordo com o perfil de cada instituição e profissional responsável.

 

O mais importante é adequar o plano ao seu contexto e estar disposto a rever seus planos sempre que necessário.

 

 

CUIDADOS QUE O PROFESSOR DEVERÁ TER FRENTE ÀS EXPERIÊNCIAS DE ENSINO:

Explicar a tarefa                                          

Turma em círculo

Anunciar o tempo                              

Registrar pontos mais importantes

Avisar quando o tempo estiver acabando     

Movimentar-se na sala

 

 

QUAL É O “MELHOR MÉTODO” DE SE APRENDER HISTÓRIA?

 

LUCY R. VALENTINI:  “Eu fujo de nomes e métodos, pois penso que o professor de história que veste a camisa de um método, corre o risco de se fechar no desafio que cada turma, a cada aula, costuma apresentar. Afinal, ele lida com pessoas e elas nos surpreendem sempre. A história explica isso. A sala de aula é um nascedouro de raciocínios que fazem uma aula nunca ser igual a outra. O que importa é despertar o interesse do aluno, levá-lo à reflexão e ao espírito crítico... Se isso é método, então é o que eu sigo”.

(Revista do Instituto Brasileiro de Edições Pedagógicas – IBEP, março, 2001).

 

 

RECURSOS DIDÁTICOS / DE ENSINO:

 

 

DEFINIÇÃO: São meios auxiliares, fontes de ajuda que vão dos mais simples aos mais sofisticados. Não substituem o professor. Não são remédios e soluções. Requer criatividade.

IMPORTÂNCIA DOS RECURSOS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM:

Fixa a atenção do aluno;

Estimula a aprendizagem;

Sensibiliza os alunos

 

 

CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DOS RECURSOS:

 

Objetivos educacionais; Disponibilidade na instituição.

TIPOS DE RECURSOS DIDÁTICOS:

Humanos: aluno, professor, pessoal da escola, comunidade

Materiais:

naturais: animais, plantas, água

                 

inanimados: equipamentos: TV, vídeo, retroprojetor, slides, gravuras, quadro, cartaz, fotos, computador, textos, etc.