Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
2





                                             

                            

 

 

 


Perigos da Percepção - Brasileiro, Perito do Erro
Perigos da Percepção - Brasileiro, Perito do Erro

BRASILEIRO, UM PERITO DO ERRO

 

Enxergar a realidade de forma distorcida é um hábito arraigado de nossa população, aponta pesquisa realizada por instituto britânico em 38 países, Só perdemos para a África do Sul no ranking da falta de noção sobre dados estatísticos.

 

Qual é a cidade mais violenta do Brasil? A resposta que vem à cabeça do brasileiro é, quase com certeza, o Rio de Janeiro. Um porto-alegrense que vá passar uns dias em terras cariocas já desembarca com medo, olha todo mundo com desconfiança, toma precauções extraordinárias. Em casa, deixa familiares nervosos, que mal conseguem conciliar o sono, receosos de um arrastão, de uma bala perdida, de um assassinato.

 

Frios, desapaixonados, os números contam uma história diferente. O Rio de Janeiro não é uma das cidades mais violentas do Brasil. Não é nem uma das capitais mais violentas do Brasil. Isso, repetida e inutilmente, mostram as estatísticas, como um recém-publicado ranking internacional de cidades com mais de 300 mil habitantes. Entre as 50 com maiores taxas de homicídios do mundo, há 17 brasileiras. Porto Alegre está na lista. O Rio, não.

 

Uma pesquisa recente indica que os brasileiros são peritos nesse tipo de engano, exímios em alimentar certezas que não correspondem aos fatos, mestres da distorção da realidade.

 

Estamos falando de um estudo realizado pelo instituto de pesquisa social britânico Ipsos Mori, que ao longo do ano passado entrevistou 29.133 pessoas em 38 países. A ideia básica era questionar as populações sobre sua realidade local – taxas de homicídio, suicídios, gestação na adolescência, prevalência de doenças, consumo de álcool, posse de smartphones, mortes em ataques terroristas, etc, etc – e depois contrapor as respostas fornecidas em cada país ao dado estatístico real.

 

Todos os países mostraram algum grau de erro, em geral exagerando as situações para pior, mas não como os brasileiros, que em termos de concepção equivocada, no ranking final da acurácia, só foram superados pelos sul-africanos. A pesquisa revelou que nosso povo inzoneiro erra muito na avaliação da realidade, com frequência escalafobeticamente. Para a média dos brasileiros, por exemplo, 48% das jovens com idade entre os 15 e os 19 anos dão à luz a cada ano. O dado real é de 6,7%. Questionados sobre as taxas de homicídio, 76% disseram que elas aumentaram em comparação com o ano 2000 – quando na verdade continuaram no mesmo patamar. Realizada anualmente, a pesquisa foi intitulada Perigos da Percepção. Em anos anteriores, era chamada pela Ipsos Mori de Ranking da Ignorância.

 

Somos mesmo uns ignorantes? Pode até ser que sim, mas a questão é mais sutil e mais complexa do que isso, como a própria mudança de nome da pesquisa parece sugerir.

 

O primeiro passo para avançar nessa discussão é entender como o ser humano forma suas percepções e que mecanismos levam aos vieses cognitivos, forma bacana de descrever a lambança interpretativa de cada dia. Como guia nesses meandros, temos a Phd em Psicologia Keitiline Viacava, diretora do Institute of Human Cognition and Behavior (INCh). Ela começa por explicar que há dois conjuntos de fatores que influenciam nossa percepção do mundo – os fatores endógenos e os fatores exógenos. No primeiro time encontram-se os mecanismos cerebrais, cognitivos e emocionais.

 

- Desse ponto de vista cognitivo, existem dois processos que influenciam a maneira como percebemos e capturamos as informações do ambiente. Um deles é mais automático, rápido, afetivo, emocional, altamente orientado pelo contexto. É o chamado sistema 1. O outro processo é aquele mais planejado, deliberado, no qual tomamos decisões de longo prazo, que é mais lento e chamamos de sistema 2 – diz Keitiline. - Esses dois sistemas diferem do ponto de vista de energia gasta por nós ao avaliar uma situação. O sistema 1 exige menos energia, menos esforço cognitivo. O sistema 2 gasta mais energia. Tendemos a poupar energia, daí nossa tendência a priorizar o sistema 1, o mais automático, na avaliação da situação. E para fazer isso criamos atalhos mentais, heurísticas, para avaliar as situações sem gastar muita energia. Dessas heurísticas é que vem a explicação para os vieses cognitivos.

 

Na avaliação da quantidade de casos de gravidez na adolescência, por exemplo, não vamos buscar uma estatística. Vamos recorrer a uma heurística, um atalho mental, formando nossa percepção, aponta Keitiline, com as informações que estão disponíveis no nosso entorno: se ouvimos falar muito no tema, se conhecemos alguém que viveu a situação, se há casos na vizinhança. É o sistema 1 funcionando a todo o vapor. O resultado são respostas de aspecto afetivo, que fogem à racionalidade.

 

POR QUE LEMOS TÃO MAL O NOSSO ENTORNO?

 

Mas se é da natureza humana recorrer a tais atalhos mentais, por que há tanta diferença de acertos e erros na percepção da realidade entre os países analisados pela Ipsos Mori? Por que os brasileiros leem tão mal o seu entorno, enquanto suecos, noruegueses e dinamarqueses, para citar apenas os melhores, revelam uma percepção que quase coincide com os dados estatísticos?

 

Parte da resposta tem a ver com os fatores exógenos – aqueles ligados ao contexto e ao ambiente em que o indivíduo está inserido. Ou seja, além de olhar para a forma como o cérebro processa a informação, é preciso atentar para a informação que está chegando ao cérebro, aos estímulos que são oferecidos pelo ambiente e que favorecem determinados tipos de percepção. Voltando ao exemplo do Rio de Janeiro: se os casos de violência na cidade recebem muita notoriedade, é natural que se perceba a cidade como mais violenta, mesmo que o dado estatístico revele algo diferente.

 

- O quão repetidamente estou exposto a determinada informação tende a influenciar a minha percepção sobre aquele fenômeno – diz Keitiline.

 

Essa ideia sai reforçada quando se faz uma análise sobre onde os diferentes povos erram mais. A pesquisa da Ipsos Mori mostra que os brasileiros, por exemplo, tendem a calibrar com menos exatidão temas que estão muito presentes no dia a dia, como a violência. A ideia é que se fala tanto nisso que tendemos a ter uma opinião mais afastada da realidade do que na maioria das populações. Em outros países, o mesmo fenômeno também acontece, mas em relação a tópicos distintos. Por exemplo: em sociedades que sofreram atentados nos últimos anos, a percepção de que houve um aumento nas mortes por terrorismo em comparação com as da década anterior é predominante, mesmo que o dado estatístico revele que houve uma queda. Da mesma maneira, as nações com percepção mais distorcida sobre a proporção de estrangeiros nos presídios tendem a ser aquelas em que o tema da imigração está mais presente. Os holandeses, por exemplo, acreditam que 51% dos prisioneiros são estrangeiros. O dado real é 19%. No mesmo quesito, os americanos estimam em 32% o que na verdade é apenas 5%.

 

Nesse sentido, observa Fábio Malini, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espirito Santos, a distorção de percepção da realidade radiografada pelo estudo da Ipsos Mori é reveladora dos temas que geram mais preocupação e que desencadeiam reações emocionais mais fortes nos diferentes países:

 

- O medo, a ansiedade e o excesso de conversação podem passar a sensação de que aquele assunto está muito forte, muito em evidência, e isso cria essa distorção. É o que vemos no caso do terrorismo em populações do Hemisfério Norte. Não ´´e só uma questão de inteligência ou ignorância. A questão da percepção tem muito a ver com o envolvimento emocional em relação ao tema, que desestabiliza a nossa razão.

 

MECANISMO DE DEFESA DA ESPÉCIE HUMANA

 

A questão emocional é ressaltada também por Keitiline. Ela nota que, na pesquisa do instituto britânico, são os temas de valência negativa – coisas que são percebidas como problemas – que costumam gerar erros de percepção maiores. Por terem um conteúdo emocional mais pronunciado – a taxa de homicídios mexe mais com as emoções do que a taxa de smartphones por 100 habitantes, para dar um exemplo –, as questões de valências negativas ativam o chamado sistema 1, ligado mais a uma resposta afetiva do que racional.

 

Isso não é de todo ruim e não é apenas ignorância. Trata-se também de um mecanismo de defesa, desenvolvido ao longo da evolução da espécie humana. Diante de uma ameaça, faz sentido, do ponto de vista de sobrevivência, que nosso cérebro reaja, inclusive exagerando o tamanho dessas ameaça. Achar que as coisas são piores do que são, portanto, pode ser a diferença entre a vida e a morte. Perceber mal pode vir para o bem.

 

QUEM ERRA MAIS?

 

Veja o resultado geral da pesquisa Perigos da Percepção, que revela em que países a percepção da própria realidade é pior ou melhor, em ordem do pior para o melhor:

 

1º África do Sul

2º Brasil

3º Filipinas

4º Peru

5º Índia

6º Indonésia

7º Colômbia

8º México

9º Turquia

10º Arábia Saudita

11º Argentina

12º Itália

13º Chile

14º Japão

15º Malásia

16º França

17º Coreia do Sul

18º Hungria

19º Nova Zelândia

20º Holanda

21º Hong Kong

22º Polônia

23º Estados Unidos

24º Rússia

25º Alemanha

26º Austrália

27º China

28º Singapura

29º Israel

30º Reino Unido

31º Bélgica

32º Canadá

33º Sérvia

34º Montenegro

35º Espanha

36º Dinamarca

37º Noruega

38º Suécia

 

O QUE PENSAM OS BRASILEIROS

 

Você acha que a taxa de homicídios em seu país é maior, menor ou igual à do ano 2000?

 

Dado real = Não mudou

 

76% = Maior

12% = Igual

3% = Menor

9% = Não sabe

 

Qual o percentual de mulheres de 15 a 19 anos do país que dão àluz a cada ano?

 

Resposta Média = 48%

Dado real = 6,7%

 

De cada 100 pessoas com idades entre 20 e 79 anos do seu país, quantas têm diabetes?

 

Resposta média = 47

Dado real = 10

 

De cada 100 mortes de mulheres de 15 a 24 anos no Brasil, quantas são por suicídio?

 

Resposta média = 29

Dado real = 4,3

 

Das pessoas do seu país, quantas em 100 dizem que acreditam em Deus?

 

Resposta média = 80

Dado real = 98

 

Para cada 100 pessoas do seu país, quantos veículos registrados existem?

 

Resposta média = 68

Dado real = 40

 

De cada 100 pessoas com 13 anos ou mais no seu país, quantas têm uma conta de Facebook?

 

Resposta média = 83

Dado real = 47

 

De cada 100 pessoas no país, quantas têm um smartphone?

 

Resposta média = 85

Dado real = 38

 

De cada 100 mortes de homens de 15 a 24 anos no Brasil, quantas são por suicídio?

 

Resposta média = 29

Dado real = 3,3

 

Os dados foram colhidos da própria pesquisa Perigos da Percepção, que usa as seguintes fontes: Organização Mundial da Saúde (mortes por suicídio e veículos registrados), Banco Mundial (taxa de homicídios, diabetes e mulheres de 15 a 19 anos que dão à luz), newzoo 2017 (smartphones), Gallup (crença em Deus) e Allin 1 Social (conta no Facebook).

 

Um outro aspecto a considerar é que, se tais mecanismos levam o ser humano a ter uma percepção exagerada dos problemas, talvez seja natural esperar que países com mais problemas tendam a distorcer mais a realidade. É possível que isso ajude a explicar por que, na ranking da Ipsos Mori, as populações menos acuradas em suas avaliações sejam aquelas de países mais pobres e conflagrados (África do Sul, Brasil, Filipinas, Peru, Índia, Indonésia, Colômbia), enquanto sociedades ricas e mais bem resolvidas apareçam no extremo oposto (Suécia, Noruega, Dinamarca, Montenegro, Sérvia, Canadá).

 

- Faz todo o sentido que um país tenha mais vieses. É o sistema 1 operando para proteger aquelas pessoas. Quando operamos no sistema 1, fazemos operações que fogem da racionalidade, Mas quando tomamos uma decisão enviesada, ainda que aparentemente ela seja irracional, porque não está tão conectada com o dado da realidade, trata-se de um comportamento relevante do ponto de vista da manutenção da vida, porque evita que pessoas se exponham a situações de perigo – interpreta Keitiline.

 

PERIGO ÀS PORTAS DAS ELEIÇÕES

 

Não se está querendo dizer, com isso, que o erro de percepção da realidade é uma maravilha e que o dado do Ipsos Mori não deve preocupar o brasileiro. Não é por acaso que o título da pesquisa é Perigos da Percepção – porque, de fato, o erro de percepção pode ser muito perigoso. Afinal, tomamos decisões com base na nossa percepção da realidade, e se essa percepção for falha, a decisão pode ser desastrosa. Basta pensar no estrago eleitoral que o viés perceptivo pode fazer, comprometendo o próprio futuro de um país.

 

- É algo gravíssimo. A pessoa vai tomar uma decisão política de acordo com aquilo que ela entende que é verdade. Mas e se ela tem uma versão completamente equivocada da verdade? Temos no Brasil um caldo de cultura pronto para aventureiros. É importante dizer que as pessoas não têm uma perspectiva equivocada por serem equivocadas por natureza, é por haver todo um discurso político e midiático que produziu isso. Então, o brasileiro acha que todas as adolescentes ficam grávidas, que a maior parte dos crimes é cometida por menores de idade, que há uma degradação moral, que vamos levar um tiro se atravessarmos a rua. Se formos olhar, não é verdade. Mas gera discursos como o da redução da maioridade penal e de que temos de nos armar, por exemplo – lamenta a cientista política Céli Pinto, da UFRGS.

 

Essa é uma preocupação partilhada por Fábio Malini, para quem a reação emocional, e não racional, deixa o brasileiro especialmente vulnerável diante de discursos populistas :

 

- Tradicionalmente, o populismo é conceituado como trazer as massas para o discurso político pelo apelo emocional. É disso que estamos falando. O envolvimento emocional atropela o dado, que é frio. Isso pode se refletir em resultados eleitorais. Já tivemos vários governos populistas e me parece que vamos ter mais.

 

Diante disso, fica evidente a importância de reduzir a distância entre a percepção do fato e o fato em si. Um caminho para isso passa por criar as condições para que o indivíduo acione mais o sistema 2, ligado à razão, do que o sistema 1, automático e emocional. De acordo com o professor de Psicologia da Educação da UFRGS Fernando Becker, a saída está no ensino. Becker entende que os erros de percepção estão relacionados com a questão educacional e, portanto, devem ser resolvidos pela questão educacional.

 

- Nosso conhecimento é formado por duas instâncias, a percepção e a razão. A percepção tem toda a importância que se quiser dar a ela, mas comete erros o tempo todo. Quem corrige esses erros é a razão. E a razão é formada pela escola, ainda que não só pela escola. Quanto menos funcionar o processo educacional, mais facilmente o indivíduo transforma o preconceito em verdade absoluta. A educação fornece as ferramentas para dizer se aquilo que você percebeu num relance tem ou não probabilidade para compreender melhor a realidade. Por isso, quando vemos o panorama brasileiro de analfabetismo e de analfabetismo funcional, que é a capacidade de não conseguir interpretar a realidade, percebemos como o quadro é desanimador – analisa Becker.

 

Keitiline confirma que há uma relação significativa entre um nível educacional mais elevado e a capacidade de ativação do sistema 2. ou seja, quanto mais instruída, mais uma população será capaz de controlar as heurísticas, porque a educação é uma espécie de treinamento cognitivo, que dá musculatura à parte racional. Ao mesmo tempo, ela ressalta que o raciocínio crítico planejado sempre será mais lento do que o automático, por melhor que seja a instrução. A educação, portanto, não seria suficiente:

 

- Outra coisa que se pode fazer é oferecer às pessoas informações fidedignas, que ajudem a ajustar a percepção. Se oferecemos informação de qualidade repetidamente, a pessoa não precisa recrutar o sistema 2 o tempo todo e se esforçar. Ela vai automatizar o comportamento.

 

Um último aspecto da pesquisa da Ipsos Mori merece menção, antes do ponto final. O instituto também perguntou aos entrevistados dos 38 países se eles estavam confiantes de que tinham dado respostas corretas. O resultado é instigante. Entre as mais confiantes, mais convencidas das suas certezas, apareciam algumas nacionalidades com maior grau de distorção da realidade: indianos, filipinos, peruanos e turcos, por exemplo. Em contrapartida, suecos, noruegueses, alemães e britânicos – todos eles entre os melhores no ranking da percepção – apareceram entre os que mais duvidavam da própria capacidade. Há aí uma lição: ter consciência de que podemos errar já é um caminho para acertar. Já é o sistema 2 em ação.

 

CONFIANÇA NAS PRÓPRIAS RESPOSTAS

 

Quão confiante você está em relação a todas as respostas que deu?

 

Confiança nas respostas Posição no ranking

 

Índia 38% 5º

Sérvia 35% 35º

Filipinas 33% 3º

Peru 33% 4º

Turquia 31% 11º

Montenegro 31% 36º

Dinamarca 30% 32º

Indonésia 29% 6º

México 28% 8º

Rússia 28% 24º

Argentina 25% 12º

Colômbia 25% 7º

África do Sul 24% 1º

Arábia Saudita 22% 9º

Estados Unidos 22% 25º

Malásia 21% 10º

China 21% 23º

Brasil 21% 2º

Chile 21% 14º

Austrália 15% 28º

França 14% 17º

Canadá 14% 34º

Polônia 14% 22º

Israel 13% 30º

Itália 12% 13º

Espanha 11% 31º

Nova Zelândia 11% 19º

Hungria 10% 16º

Coreia do Sul 10% 18º

Hong Kong 9% 20º

Holanda 9% 21º

Bélgica 9% 33º

Singapura 8% 29º

Reino Unido 7% 26º

Suécia 7% 38º

Alemanha 5% 27º

Japão 4% 15º

Noruega 2% 37º

 

ENTREVISTA: BOBBY DUFFY – Autor da pesquisa Perigos da Percepção

 

Precisamos ensinar as pessoas a selecionar a informação certa”

 

Líder de um grupo de cerca de 200 pesquisadores espalhados por Londres, Manchester, Edimburgo e Belfast, Bobby Duffy é o principal autor da pesquisa Perigos da Percepção, realizada pelo Instituto de Pesquisa Social Ipsos Mori, onde ingressou em 1994 e criou o Centro de Métodos e Pesquisas. Formado em Ciências Econômicas, Sociais e Políticas em Cambridge e pesquisador sênior do King’s College de Londres, ele concedeu a entrevista a seguir a Zero Hora:

 

O que faz existirem mais os erros de percepção em relação a determinados assuntos: a presença maciça deles nos meios de comunicação ou, pelo contrário, a falta de discussão?

 

É uma mistura do que chega até nós – as histórias que vemos na mídia e a maneira como políticos e outras pessoas abordam os assuntos – com a forma como pensamos. Enquanto seres humanos, somos naturalmente mais sensíveis a histórias reais do que a estatísticas. Nós lembramos mais das histórias, e isso influencia o nosso ponto de vista. A mídia tem um papel. Sabemos por vários estudos que existe uma tendência de ela abordar informações negativas. Mas ela faz isso em resposta a nossas demandas. Temos a mídia que nossos cérebros desejam.

 

O que é mais importante para superar o erro de percepção: a educação ou o acesso à informação?

 

Essa é uma questão muito importante. Há muita informação de boa qualidade disponível – mais do que nunca. Mas também há mais informações erradas e enganosas do que nunca. Portanto, o que precisamos é ensinar as pessoas a selecionar a informação certa – o que torna uma espécie de alfabetização em mídia e em notícias mais importante do que uma educação geral. Obviamente, é mais fácil dizer isso do que conseguir repassar essa habilidade e fazer com que as pessoas possam aplicá-la quando forem bombardeados com informação e desinformação.

 

Os brasileiros estão entre os que demonstram uma percepção mais equivocada a respeito da variação nas taxas de homicídio, de gestação na adolescência e de índices de suicídio, em todos esses casos avaliando a situação como pior do que é. Esses tópicos em particular revelam algo sobre a realidade brasileira?

 

O Brasil não está sozinho ao acreditar que essas coisas são piores do que realmente são – mas certamente essa percepção revela algo sobre aquilo com que o país está mais preocupado. O que nós notamos é que as pessoas superestimam os problemas com que estão preocupadas. Estejamos ou não conscientes disso, demonstramos o que nos atormenta quando estimamos dados sobre assassinatos ou gravidez na adolescência. Esses são indicadores úteis do que preocupa uma sociedade.

 

Por que percebemos a realidade pior do que ela realmente é?

 

Como seres humanos, estamos programados para focar mais em informações negativas. Nosso cérebro literalmente processa essas informações de foma diferente, o que já foi provado em muitos experimentos. Esta é uma característica evolutiva. A informação negativa era muitas vezes uma ameaça, em relação à qual nosso antepassado das cavernas tinha de reagir. Podia ser um ataque, por exemplo. Isso está arraigado no nosso cérebro. Essa é uma parte importante da explicação de por que avaliamos as situações como mais graves do que são.

 

Que fatores podem explicar que determinadas populações – a brasileira, por exemplo – tenham uma percepção pior da realidade do que outras populações?

 

A verdade é que não temos uma única explicação, mas parece estar relacionado, parcialmente, com o quão emocionalmente expressiva é uma nação. Ou seja, com que facilidade determinada população expressa as suas emoções. Se a nossa avaliação da realidade reflete o quão preocupados estamos, faz sentido que países mais emocionalmente expressivos apresentem mais erros de percepção. Os erros estão relacionados a índices de expressividade emocional.

 

Quais são os principais perigos do erro de percepção? Podem ter um impacto, por exemplo, nas escolhas políticas?

 

Esse é um risco, certamente. Há muitos casos de votações em que as pessoas tiveram uma avaliação errada de fatos-chave – incluindo o Brexit, em que nós britânicos achamos que transferíamos muito mais dinheiro para a União Europeia do que de fato fazíamos. Outros estudos mostram que as pessoas estão muito equivocadas sobre questões como o desemprego, em situações nas quais esse é um tema central da eleição. Percepções erradas fazem diferença.

 

Fonte: Zero Hora/Caderno doc/Texto de Itamar Melo (itamar.melo@zerohora.com.br) em 01/04/2018