Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Paisagens Imaginárias
Paisagens Imaginárias

PAISAGENS IMAGINÁRIAS

 

EM LIVRO, POETA QUESTIONA AUSÊNCIA DE COMPOSITORES ERUDITOS CONTEMPORÂNEOS NO REPERTÓRIO ORQUESTRAL.

 

O poeta e ensaísta Augusto de Campos – tema da retrospectiva “Rever”, em cartaz no Sesc Pompeia – acaba de lançar “Música de Invenção 2”, que dá continuidade às reflexões sobre composição contemporânea (sobretudo erudita) publicadas em livro homônimo de 1998.  O volume sai na mesma semana em que ocorreu a terceira Conferência Internacional MultiOrquestra, no Sesc Bom Retiro (maio).

 

Nesse encontro, promovido pelo Ministério da Cultura e pelo British Council sob o tema “Orquestra: Modo(s) de Usar”, a mesa mais candente discutiu a programação dos repertórios sinfônicos.  Nela, o crítico João Marcos Coelho abordou o eterno dilema entre atender à expectativa do público – em geral conservador, principalmente no Brasil – ou propor peças contemporâneas, ousando contrariar essa expectativa com risco de ver cair uma audiência que seria a contrapartida de financiamentos públicos e leis de incentivo cultural (numa clara distorção mercadológica e da finalidade desses incentivos).

 

Coincidentemente, os ensaios de Augusto de Campos são atravessados por essa questão – seja nas análises do “desmesurado” Stockhausen, seja nas entrelinhas de um texto que trata do “músico-poeta” provençal Guillaume de Machaut (século 14), revalorizado por “modernos radicais como Varèse, Boulez, Ligeti”.

 

Em “Cruzadas, Cruzamentos e Encruzilhadas”, em meio a surpreendentes aproximações de Gerswhin e Schoenberg, ele lamenta o pressuposto das instituições culturais brasileiras de que a plateia seria “deficiente artístico-auditiva, inabilitada-crônica para escutar peças produzidas há quase um século”, ironizando o fato de um filme para público infantil, como “Fantasia” (1940), de Walt Disney, já incluir em sua trilha sonora a estrepitosa “Sagração de Primavera” (1913), de Stravinsky.

 

Apaixonado por jazz e pelo repertório pop inventivo, o autor de “Balanço da Bossa” não ignora a distinção de registros: “Mais intuitiva e instintiva, a música popular nos leva do corpo à vida, à vivência, aos afetos.  A erudita nos eleva a outras paisagens imaginárias, que merecemos vislumbrar: tem algo a ver com o aquém ou além-vida”.

 

E os ensaios sobre a norte-americana Ruth Crawford, a germano-americana Johanna Beyer, a cubana (e negra) Tania Léon e a finlandesa Kaija Saariaho – na linhagem da genial russa Galina Ustvólskaia – têm por efeito desmentir a queixa (muito presente na Conferência MultiOrquestra) de que na cena erudita não há nem mulheres nem afrodescendentes.

 

Em vez de justificar a pouca ousadia alegando falta de formação do público (e de seus próprios músicos) ou de inclusão social – que não são tarefa precípua do meio musical, mas do Estado –, gestores de orquestras e instituições deveriam fazer de “Música de Invenção 2” seu manual de guerrilha.

 

LIVRO:  MÚSICA DE INVENÇÃO 2 – Augusto de Campos, Editora Perspectiva, 2016, 144 páginas.

LIVRO:  MÚSICA DE INVENÇÃO – Augusto de Campos, Editora Perspectiva, 1998, 280 páginas – Esgotado, mas disponível em sebos, volume inclui textos sobre compositores vanguardistas como Satie, Webern, Cage e Varèse.

 

Fonte:  Revista Folha de S.Paulo/Manuel da Costa Pinto em 21 de maio de 2016.