Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
3





                                              

                            

 

 

 


Orlando, de Virgínia Woolf
Orlando, de Virgínia Woolf

ORLANDO, DE VIRGÍNIA WOOLF

 

PROFESSORA E CRÍTICA LITERÁRIA ABORDA O MASCULINO-FEMININO DA AUTORA BRITÂNICA.

 

Nem sempre os bons livros são de fácil leitura.   ORLANDO, de Virgínia Woolf**, é um desses.  Ele desestabiliza o leitor porque acaba com a ilusão de que tempo e espaço são unidades fixas, ao confundir, no texto, as fronteiras entre ação e reflexão.  Se ainda hoje provoca estranhamento, imagine-se quando de sua publicação na Inglaterra de 1928.  A biografia de Virgínia Woolf deixa claro que sua vida nada teve de comum:  foi alfabetizada e estudou literatura com o pai, Sir Leslie Stephen, pertencente à elite intelectual de Londres.  Ela e seus irmãos cresceram entre escritores e artistas e muito cedo publicou seus textos em revistas e periódicos locais.

Jovem, integrou o círculo intelectual de Bloomsbury, a que também pertenciam E.M. Forster e o poeta T.S. Elliot.  Nesse meio, Virgínia conheceu seu futuro marido, o crítico Leonardo Woolf, com quem criou a editora Hogarth Press.  Dispondo de editora própria, Virgínia Woolf pode dar livre curso à experimentação narrativa.  Como se lê em ORLANDO, essa experimentação consistiu em transformar as categorias romanescas de tempo, ação e espaço, enquanto que seu texto desconstrói simbolicamente a oposição entre os sexos masculino e feminino.  Sua personagem principal, Lord Orlando, transforma-se em Lady e depois, através de séculos, em Lord e Lady numa metamorfose constante e contrária aos padrões de verossimilhança.

Além disso, a autora investe em nova escritura na qual cada parágrafo explora ideias instigantes, submetendo a experiência e o pensamento à percepção, que é sensação refletida.  Disso decorre uma prosa poética essencialmente metafórica, que exige a participação do leitor para a compreensão do texto.  E o próprio enredo não se deixa resumir em perda de qualidade.  É comum a crítica considerar ORLANDO expoente de uma literatura de gênero pela abordagem do binômio masculino-feminino.  Mas, no romance, o gênero depende de circunstâncias e opções, o que recobre a bissexualidade enquanto proposta.

 

 

Por muitas razões inclui-se ORLANDO no cânone da literatura ocidental: uma delas é a prodigiosa imaginação da escritora que concede um tempo infinito à personagem, iniciando o livro na era elisabetana para finalizá-lo depois da primeira guerra mundial.  E a obra termina quando cessa a biografia de que se ocupou por 350 anos, rompendo com o tempo dito real e substituindo-o pelo tempo da consciência, do sentimento, da memória e da vontade.

Virgínia escreve uma biografia que lhe permite inventar e comentar com o leitor os fatos que lhe interessam.  Algumas passagens, com suas digressões, podem ser lidas como poemas, o que se acentua na tradução brasileira de Cecília Meireles.

Virgínia transfere a ORLANDO sua paixão pela literatura, o que considera uma doença agravada pela escrita.  Poetas e vida literária causam tanto sofrimento a Orlando quanto a paixão pela princesa russa que o abandona.  E a única certeza é de que Orlando manterá para sempre o longo poema “O Carvalho”, fio condutor que atravessa o livro.

Se o tempo ficcional permite viajar pela história da Inglaterra, na profunda e irônica relação com os costumes vitorianos e a condição de país colonizador, a categoria espaço também é objeto de rara transformação: quando Lady Orlando encontra-se entre os ciganos e retira-se, cansada, para refletir junto às pedras e montanhas do árido local, abre-se diante dela uma clareira onde surgem os gramados e as construções de seu castelo na Inglaterra.  Como nos sonhos, basta-lhe adentrar o espaço que se oferece e, num passe de mágica, ela se transporta a seus antigos domínios.  Senhora de uma imagem magistral da memória, costureira caprichosa que mistura fragmentos e os une por fios invisíveis.  Virgínia subverte a relação tempo-espaço-narrativa.

 

 

Aliás, a passagem de Orlando pelas tendas dos ciganos contém outra reflexão avançada para a época: a cultura, que produz sentimentos, determina a linguagem.  Quando Orlando contempla, embevecido, o sol que se põe, não tem palavras para falar da grande beleza.  Os rudes ciganos limitam-se à  experiência concreta.  E o espetáculo do pôr do sol só pode ser enunciado como algo bom para comer.  Essa impossibilidade atesta a argúcia da escritora: a literatura existe para nomear o que deslumbra o homem.  Literatura tem a ver com interjeição e construção de conceitos.  Pensa-se com a linguagem.  E, como a crítica tem observado, em Orlando um marcante esteticismo substitui o erotismo velado, comum aos romances da época.

Também chama atenção o estilo associativo, que agrega imagens e fluxos de consciência, relacionando biógrafa e biografia.  Inclusive, é comum aproximar Orlando de Virgínia Woolf e sua amante Vita Sackesville West.  Em uma Inglaterra onde a homossexualidade era criminalizada, o escândalo responderia pelo sucesso do livro.  Hoje, sobressai a admiração pela estrutura inusitada do romance e pelo estilo, no mínimo, brilhante.

De fato, a autora obtém o efeito de teatralização situando o ponto de vista narrativo nos olhos de Orlando.  Tudo é visto e vivido por ele como espetáculo.  A vida é um teatro e essa é a grande ironia.  A biógrafa atenta amplia o olhar de Orlando por ressonâncias simbólicas.  As intervenções narrativas pontuam com finura a crítica social de que a obra está impregnada.  Virgínia fala a homens e mulheres de seu tempo e do futuro.  Ela vence as barreiras das convenções literárias: desconstrói as categorias narrativas de tempo, ação e lugar para repropor o humano através de uma verossimilhança própria.

** ORLANDO, UMA BIOGRAFIA. / Virgínia Woolf; tradução e notas Tomaz Tadeu; posfácio Silviano Santiago.  Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

 

Fonte:  Correio do Povo – CS Caderno de Sábado/Lea Mesina (Professora de Literatura da UFRGS.  Doutora em Literatura Comparada.  Crítica Literária) em 26 de dezembro de 2015.