Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Novos Baianos agora em livro, de Ana de Oliveira
Novos Baianos agora em livro, de Ana de Oliveira

DO VINIL PARA O PAPEL

 

Em 1971, os Novos Baianos moravam num apartamento em Botafogo, no Rio de Janeiro, e chamavam atenção depois de um disco de estreia que misturava samba e rock – É FERRO NA BONECA, lançado em 1970.

 

Mas a influência de João Gilberto, que se tornou mentor do grupo, e a mudança para a vida em comunidade num sítio perto de Jacarepaguá produziram ACABOU CHORARE (1972), que costuma frequentar a lista de melhores discos da MPB.

 

Paulinho Boca de Cantor, Moraes Moreira, Baby do Brasil (na época Consuelo), Luiz Galvão, Pepeu Gomes, Dadi Carvalho e Jorginho Gomes criaram uma obra singular. E são protagonistas do livro ACABOU CHORARE, organizado pela jornalista Ana de Oliveira, que será lançado na próxima semana.

 

O álbum é tropicalista por excelência. Exercita coo poucos a atitude de reunir fontes musicais diversas em uma salada que não se parece com nada que veio antes. Derruba divisões de gêneros, estilos e sotaques.

 

ACABOU CHORARE, o livro espelha a diversidade de estilos do disco. Livrão de mesa, do tamanho de um LP, está dividido em capítulos. Na porção inicial, cada faixa inspira um texto analítico e uma obra gráfica. Em sua segunda parte, o livro reproduz a arte do LP original – capa, contracapa, encarte e selo impresso no vinil – e as letras das canções.

 

A fatia mais interessante do livro aparece em seguida. Ana de Oliveira reuniu praticamente todas as reportagens e críticas publicadas na imprensa brasileira sobre o disco e a carreira dos Novos Baianos naquele período.

 

O material inclui a histórica entrevista ao semanário O Pasquim, em 1971. Conversam com a banda os jornalistas Luiz Carlos Maciel e Sérgio Cabral, dois dos fundadores de O Pasquim, e o cineasta Glauber Rocha (1939-1981). O livro tem, ainda, uma lista de curiosidades sobre o disco.

 

 

Fonte: Jornal do Comércio/Acontece em 09/06/2017.