Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                             

                            

 

 

 


Na Raiz da Obra de Sérvulo Esmeraldo
Na Raiz da Obra de Sérvulo Esmeraldo

NA RAIZ DA OBRA DE SÉRVULO ESMERALDO

 

Arquivo do Artista, referência da arte abstrata no Brasil, é tema de exposição no Instituto Ling.

 

Por Luiza Piffero

luiza.piffero@zerohora.com.br

 

Tudo teria começado com uma folha de árvore. Ao desenhar suas nervuras em meados da década de 1950, deixando de lado detalhes realísticos, o cearense Sérvulo Esmeraldo (1929-2017) iniciava o caminho que o levaria da arte figurativa à abstração. O curador Ricardo Resende atribui essa importância simbólica para a pequena gravura de folha na exposição PULSATIONSPULSAÇÕES – DO ARQUIVO VIVO DE SÉRVULO ESMERALDO. Inaugurada ontem (em novembro) no Instituto Ling, a mostra traz à tona o processo criativo do artista com obras e documentos do período em que viveu na França (1957-1980).

 

Das décadas de 1950 e 1960, a exposição traz gravuras e desenhos dominados por riscos soltos e muitas cores. Uma coleção de matrizes exposta ao lado revela que as técnicas poderiam ser inusitadas, como a costura de fios nas chapas de metal. Dos anos 1970 e 80, há maquetes para relevos e esculturas, além de duas pinturas sem data e obras dos anos 2000. Vistas em conjunto, deixam claro que a atenção de Esmeraldo sempre se voltava para linha, cor e forma.

 

- Ele busca uma simplificação da forma, eliminando arestas, e vai chegando na linha pura – pontua Resende, que é curador do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, no Rio, e em Porto Alegre foi cocurador da retrospectiva de Leonilson, SOB O PESO DOS MEUS AMORES, na Fundação Iberê Camargo, em 2012.

 

Essas preocupações Esmeraldo compartilhava com um grupo de mestres da arte abstrata com quem conviveu em Paris – entre eles, Sérgio Camargo, Arthur Luiz Piza e Rossini Perez (atualmente em cartaz no MARGS). Enquanto desenvolvia suas habilidades como gravador mergulhou no abstracionismo lírico, estilo em voga na França dos anos 1960.

 

- Ele estava no momento certo em Paris. Havia uma comunidade de artistas, e um observava o outro – discorre o curador, parado entre uma escultura que lembra os célebres “bichos” de Lygia Clark e um relevo que remete a Sérgio Camargo.

 

Na França, Esmeraldo também conheceria o argentino Julio Le Parc e o venezuelano Jesús Rafael Soto, que o influenciariam a experimentar a arte cinética, na qual se destacou com a série EXCITÁVEIS. Quanto retornou ao Brasil, na década de 1980, deixou documentos e obras na casa de Le Parc. As pças ficaram guardadas por cerca de 40 anos até serem adquiridas pelo IAC – Instituto de Arte Contemporânea (São Paulo), dando origem à exposição O ARQUIVO VIVO DE SÉRVULO ESMERALDO, em 2014. A mostra que agora chega ao Ling é derivada dela e é a terceira exibição póstuma do artista, morto em fevereiro (2017), aos 88 anos.

 

Segundo Resende, arquivos jogam luz sobre o pensamento do criador, são como a “raiz da obra”. No caso de Esmeraldo, essa raiz era um olhar delicado para o cotidiano que o curador lembra bem:

 

- Era uma figura contemplativa. Uma vez, caminhávamos em grupo em um final de tarde, e ele chamou a atenção para o desenho da nossa sombra na calçada. Em outra, pediu que a gente olhasse para o desenho formado por pássaros em um fio de luz.

 

Fonte: ZeroHora/Segundo Caderno em 29/11/2017