Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Modismos por Sérgio Nogueira
Modismos por Sérgio Nogueira

MODISMOS  - LÍNGUA PORTUGUESA

 

São palavras ou expressões usadas excessivamente, o que empobrece o estilo:  a nível de, acontecer (=realizar), alavancar (negócios), impactar (a empresa), penalizar (=punir), sinalizar(=apontar, indicar), fazer colocações, detonar(=provocar, criar), contabilizar(=somar, totalizar), costurar (acordos), galera(=torcida ou plateia), praticar (preços ou taxas), receber (sinal verde, (pessoa) transparente, (dar) uma lição de vida...

ACONTECER:  Não use no sentido de “fazer sucesso”:  “O ator está acontecendo na novela das oito.”  Em geral, prefira o verbo realizar:  “O congresso se realizará (em vez de acontecerá) na próxima semana em Paris.”  O melhor é só usar o verno acontecer no seu significado mais específico (=suceder de repente):  “O desastre aconteceu há dois anos”;  “Caso acontecesse uma derrota, a tristeza dos torcedores brasileiros seria imensa”.  Acontecer dá sempre uma ideia de “inesperado, surpreendente, desconhecido”.

ALAVANCAR:  Virou modismo.  É usado excessivamente por políticos, economistas e empresários.  Evite.

COLOCAR:  Verbo usado excessivamente.  Evite.  Use apenas quando houver claramente a ideia de “lugar”:  “Vai colocar o livro na estante”.  Nos demais casos, devemos usar verbos mais precisos:  “Vestir (e não colocar) a camiseta”;  “Por (e não colocar) em prática”; “A galinha põe (e não coloca) ovos”;  “Botar (e não colocar) água no feijão”;  “Sou contrário à ideia que você expôs ou defendeu ou apresentou (e não colocou)”.  E jamais usar o famoso !vou fazer uma colocação”.  É melhor falar, afirmar, expor, argumentar, opinar... Exemplo inaceitável:  “Mas o senador não respondeu à pergunta que eu coloquei (=fiz, formulei).”

CONTABILIZAR:  Só em textos de “contabilidade”.  Evite frases como:  “A equipe de resgate já contabilizou 15 mortos.”

DEFINIR:  Evite o uso impreciso e o uso excessivo. Definir a estratégia de combate é decidir “como” se pretende lutar, é descrever o modo, a forma de combate. Se a ideia for a de escolher entre duas ou mais estratégias, não estamos “definindo”, e sim decidindo, estabelecendo, escolhendo, determinando...  definir não é “dar fim”:  “Zezinho marcou o quinto gol, definindo(=fechando) o placar.”  Contra o uso excessivo, devemos usar verbos mais precisos:  “Já está decidido (em vez de definido) quem será o próximo adversário de Popó”; “A diretoria é que vai determinar (em vez de definir) qual será a multa”; “A polícia ainda não descobriu (em vez de definir) quem estava dirigindo o caminhão”;  “O técnico ainda não escalou (em vez de definir) o time titular”; A CBF ainda não marcou ou fixou (em vez de definiu) as datas das finais”; “O PNDB ainda não indicou (em vez de definiu) o seu candidato”: “Ele ainda não escolheu (em vez de definiu) quem será seu sucessor”.

DELETAR:  Só em textos de informática.  É preferível apagar ou excluir.

DETONAR:  Só se forem bombas.  Não devemos usar no sentido figurado:  “Foi isso que acabou detonando (=gerando, provocando) a crise do México”; “Foi a tia que detonou (=despertou) nela a paixão pela música”.

ELENCAR:  Modismo.  É um neologismo a ser evitado.  “É melhor enumerar, listar”.

ENQUANTO:  Indica “tempo simultâneo”.  Exige correlação de tempo verbal:  “Eu trabalho enquanto você dorme” (no presente);  “A inflação cresceu enquanto a renda dos assalariados caiu” (no pretérito).  Evite: 1. Falta de correlação dos tempos verbais:  “Enquanto o diretor insiste (=presente) no projeto, os acionistas contestaram (=pretérito) as ideias básicas”;  2. A forma “enquanto que”:  “Fumava enquanto que todos buscavam a solução para o problema”;  3. O modismo de usar enquanto com o sentido de “na função de” ou “sob o aspecto de”:  “Ele, enquanto diretor, tem total responsabilidade sobre os fatos.”

 

Por Prof. Sérgio Nogueira