Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Meu Amigo Dahmer, de Derf Backderf
Meu Amigo Dahmer, de Derf Backderf

A ADOLESCÊNCIA DE UM SERIAL KILLER

 

MEU AMIGO DAHMER, do americano Derf Backderf, inaugura coleção de HQs da DarkSide, editora dedicada a horror e fantasia.

 

Jeffrey Dahmer (1960-1994) assassinou 17 homens e garotos entre 1978 e 1991. Seus crimes eram particularmente hediondos, envolvendo violência sexual, necrofilia e canibalismo. Antes disso, ele foi um adolescente como qualquer outro: tinha problemas familiares, sentia-se inadequado, desejava pertencimento sofria bullying na escola, precisava lidar com seus impulsos sexuais e suas pulsões de morte. Por que uns sobrevivem e outros, como Dahmer, sucumbem às trevas? Já era possível identificar sua personalidade nociva? Onde pais e professores falharam? Qual a influência dos colegas de aula? Como é descobrir que um amigo virou um dos mais aterrorizantes serial killers dos Estados Unidos?

 

Essas são algumas das perguntas formuladas em MEU AMIGO DAHMER, obra impactante – e imperdível – que abre a coleção de graphic novels da DarkSide, editora brasileira especializada em literatura de horror e fantasia. Escrita e desenhada por Derf Backderf, a HQ venceu em 2014 p prêmio Revelação no tradicional festival de Angoulême, na França, e já foi adaptada para o cinema ( o filme do diretor Marc Meyers estreou em abril nos EUA).

 

Backderf começa a responder algumas de suas perguntas logo nas primeiras linhas do prefácio. MEU AMIGO DAHMER é o resultado de suas inquietações a respeito daquela amizade vivida na década de 1970. Nasceu em 1991, poucas semanas após os assassinatos virem à tona, e levou 20 anos para ser concluída, entre idas e vindas, versões reformuladas, entrevistas e pesquisas (há um catatau de quase cem páginas de extras, como notas, fotos de escola, cenas deletadas e esboços). O livro acompanha Dahmer dos 12 anos até o momento em que ele, como diz o autor, salta no abismo, concentrando a narrativa no adolescente “que combatia as ideias tenebrosas que borbulhavam em sua mente”.

 

Com um traço a um só tempo sombrio e cartunesco, Backderf estabelece uma atmosfera de estranhamento, melancolia e suspense no cenário – uma pequena cidade do Estado de Ohio. Dahmer circula pela zona rural, onde morava, e pelos colégios Eastview e Revere. Em casa, era, de certa forma, invisível aos pais, que brigavam o tempo todo. Na escola, mantinha a invisibilidade – tímido, solitário, evitava interagir e fazer amigos (e aguentava em silêncio os eventuais valentões). Até que, sem que houvesse aviso, uma transformação ocorreu. Dahmer passou a fingir ataques epilépticos e a imitar a fala vagarosa e as convulsões de pessoas com paralisia cerebral. Caiu nas graças de um grupo de colegas – virou uma espécie de mascote, a ponto de Backderf e seus amigos adoratem “dahmerismos”, como cumprimentar uns aos outros com a voz arrastada.

 

Boa parte da pancada provocada pela leitura de MEU AMIGO DAHMER vem da fricção entre o que Backderf descreve e o que ele pensa. Nas passagens em que relata atividades do “fã-clube Dahmer”, ele esforça-se em desfazer a impressão de que se aproveitava de Jeffrey como se fosse gerente e plateia de um circo de horrores: “Nosso interesse por Dahmer pode parecer de má-fé, mas não era. Não estávamos desprezando o cara. Afinal, a gente não estava muito mais alto na escala social. Ele nos entretinha. E só”. A todo instante, o autor busca descolar-se de Dahmer, limpar-se de qualquer responsabilidade em relação ao pavoroso destino do amigo que pudesse lhe ser imputada - “Há um número incrível de indivíduos que vê Jeffrey Dahmer como uma espécie de anti-herói, um garoto vítima de bullying, que contra-atacou a sociedade que o rejeitava. Isto é um absurdo”, escreve no prefácio. “Dahmer era um infeliz, um ser problemático, cuja perversidade estava quase além da compreensão. Tenha pena, mas não empatia”. Mas não é justamente empatia o que Backderf se propõe, ao tentar se colocar no lugar de Dahmer e procurar compreendê-lo emocionalmente?

 

MEU AMIGO DAHMER jamais servirá para atenuar os crimes do chamado Canibal de Milwaukee (Estado onde o assassino nasceu), mas não deixa de ser um pedido de perdão – senão ao próprio Dahmer, pelo menos às suas vítimas. É como se, nesses 20 anos entre o primeiro rascunho e a publicação, Backderf tivesse remoído uma culpa coletiva: ok, Dahmer tinha uma mente maléfica e um caráter duvidoso, mas também foi negligenciado pelos adultos da história – seus pais e os professores – e nunca foi abraçado de fato pelos amigos (que nem se consideravam amigos). Quando Backderf ouve a notícia da prisão do ex-colega, ele tapa a boca e diz: “Ah, meu Deus, Dahmer, oque foi que você fez?”. Mas é como se estivesse dizendo: “Ah, meu Deus, Dahmer, o que foi que nós fizemos?”.

 

O CANIBAL

A polícia prendeu Jeffrey Dahmer em 22 de julho de 1991, quando uma de suas vítimas conseguiu fugir. Em sua casa, guardava corpos, crânios e pênis. Condenado a 957 anos de prisão, ele foi espancado até a morte por outro detento, Christopher Scarver, em 28 de novembro de 1994.

 

MEU AMIGO DAHMER

Derf Backderf – Quadrinhos. Tradução de Érico Assis, editora DarkSide, 288 páginas.

 

 

Fonte: ZeroHora/2º Caderno/Ticiano Osório (ticiano.osorio@zerohora.com.br) em 14/07/2017.