Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Livros, Livros
Livros, Livros

     Estalagem do Convento

 

LIVROS, LIVROS

 

Dizem que Buenos Aires tem mais livrarias do que o Brasil inteiro.  Não sei se a estatística é correta, mas, se for, a capital argentina ainda perde para Óbidos, em Portugal, que tem 70 habitantes fixos e 12 livrarias.  (O Google desmente a informação orgulhosa que me deram lá e diz que são 2 mil habitantes fixos, o que não diminui o espanto e a inveja com a proporção população/livrarias da cidade).  As poucas ruas de casas brancas de Óbidos descem de um castelo medieval e de uma igreja antiga – que não é mais igreja, é livraria – situados na parte mais alta.

 

       

 

A cidade normalmente se enche de turistas todos os dias, mas estava excepcionalmente cheia para o seu primeiro Festival Literário Internacional, do qual participei, há um mês, junto com outros brasileiros, como Ruy Castro, Nelson Motta, Gregório Duvivier, Francisco Bosco, João Paulo Cuenca e Sérgio Rodrigues, e portugueses (ou afroportugueses), como os grandes Mia Couto e José Eduardo Agualusa, este o curador da parte literária e um dos idealizadores do encontro.  Também houve música, com artistas como Miúcha e Georgiana de Moraes e o grupo do Moreno Veloso, para ficar só nos brasileiros, e um show fantástico da portuguesa Cristina Branco cantando Chico Buarque com o trio do pianista Mário Laginha.  Minha participação foi junto com Ricardo Araujo Pereira, jovem cômico popularíssimo em Portugal que começa a conquistar o Brasil.

 

 

Nosso hotel ficava fora da muralha que cerca a cidade.  Era um antigo convento, e seu interior fora totalmente redecorado com livros.  Livros por toda a parte.  Livros do chão até o teto.  Livros e mais livros.  Lembrando daqueles livros agora, depois do acontecido em Paris, e do que ainda pode acontecer em qualquer lugar deste insensato mundo, pensei:  os livros de Óbidos também pareciam uma muralha.  Mas não nos protegiam da loucura.

 

Fonte:  ZeroHora/L.F.Veríssimo (verissimo@zerohora.com.br) em 22/11/2015