Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
6





                                              

                            

 

 

 


Livros e Férias combinam?
Livros e Férias combinam?

 Livros e férias combinam?

Quem de nós lê nas férias? Quem são os leitores do verão? Existem esses leitores? A praia combina com o livro? Qual a sua opinião? Primeiramente, temos que partir do princípio, quem de nós ganhou algum livro para ser apreciado nas férias? Quem deu? Será que o objeto livro foi alvo da lista de presentes de algum ser vivo? Quem pediu em sua lista de amigo secreto uma obra literária? E na lista de objetos para levar à praia há um livro?

Indiscutivelmente, verão combina com alegria, encontro com amigos, boas risadas, bares lotados, corpos suados e muita alegria. Há quem aprecie ir para a praia, outros preferem ir os campos e alguns preferem viajar para o exterior. Nas malas desses três tipos básicos de indivíduos em férias constam objetos que proporcionam sossego, alegria e prazer.

Eis que tocamos num ponto básico e crucial que liga o livro às férias: prazer e alegria. Seria o livro um objeto que seria sinônimo dessas duas palavrinhas mágicas? Afinal, se férias se traduz em descontração e junção de sonhos e ideias festivas, temos aí a união de pessoas e a leitura é uma prática individual. Quem lê, recolhe-se ao seu cantinho mágico e, ao abrir um livro, permite-se viajar ou deixar-se levar pelas palavras escritas. A leitura se dá numa estrada de duas vias: ida do leitor e a volta de um novo leitor. Embora a obra possa ser divulgada e comentada entre amigos, essa prática ocorre depois de uma ação solitária e reflexiva acerca das mensagens gráficas e verbais que acontecem na obra. Então, como se dá essa junção entre livros e férias?

Há quem diga que aprecia a reclusão, a comemoração solitária de seus dias de repouso e o livro, nesse contexto, “cai como uma luva”. Então, se seguirmos esse raciocínio, poderemos concluir que o livro é companhia apenas daqueles que se isolam nas férias? E para os demais indivíduos? Livro nem pensar? Conclui-se que o livro é algo monótono, chato, incapaz de unir pessoas, de proporcionar sorrisos coletivos e troca de sonhos?

Como conquistar veranistas, crianças e jovens e dizer a eles que sim, eles devem levar em suas mochilas, protetor solar, toalhas, óculos de sol, prancha e livros? Qual seria a argumentação necessária e correta para que tal objeto seja apreciado pelas pessoas?

E aquelas pessoas que viajam para o exterior? Levam um livro brasileiro? Compram um livro estrangeiro? Ou nem se lembram desse objeto? Será que existe algum dado sobre a venda de livros para brasileiros no exterior. Além de roupas, celulares, perfumes e bebidas, quem traz em sua mala uma obra literária para mostrar aos amigos? Seria vergonhoso dizer que viajou ao exterior e trouxe um livro? Dá status se confessar um leitor, mesmo em viagem internacional?

Somos seres leitores de épocas não ligadas à diversão? Seria o livro um objeto não grato no verão? Nas férias? Quem trocaria uma roda de amigos para dividir o seu tempo com um livro? Por fim, livros e férias combinam?