Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
3





                                              

                            

 

 

 


Livros: de Papel ou Digital?
Livros: de Papel ou Digital?

 

LIVROS: DE PAPEL OU DIGITAL?

 

Assim como quando a televisão surgiu, todos apostaram no fim do rádio e, mesmo com a praticidade dos DVDs, ninguém abriu mão de uma boa sessão de cinema, eis uma questão que ainda divide opiniões: livro de papel ou e-books, que estão surgindo com força e causando encantamento para muitos leitores.

Os dois carregam vantagens e desvantagens.  Os leitores sempre trazem o prazer de folhear o livro de papel e não abrem mão do cheiro do livro novo.  O livro digital traz a vantagem da facilidade de lê-lo em apenas alguns cliques. Já o peso do livro impresso e o cansaço causado pela tela do computador na leitura dos e-books são apontados como desvantagens.

Não podemos negar as possibilidades que a era digital nos oferece, pois esse é um caminho sem volta.  Como professores, temos que ajudar nossa criança e jovem a desenvolver as habilidades de analisar, selecionar, classificar, refletir, julgar as informações recebidas.  Esse é o caminho.

O livro, o jornal, a internet são suportes de informação.  O mais importante é o que fazer com as informações recebidas.  Se suas leituras serão feitas n o papel ou na tela, acredito não fazer diferença.  Cabe ao professor valer-se dessas leituras para estimulá-los a práticas que possibilitem enfrentar desafios de uma vida em sociedade e fazer uso desse conhecimento para continuar aprendendo ao longo de sua existência.

 

 

Acredito que se uma boa literatura for apresentada aos alunos e suas leituras diárias passarem pela análise, seleção e reflexão do leitor, certamente ele se tornará um ser criativo e entenderá que a tecnologia está à sua disposição e não ao contrário.  Ela será aquilo que fizermos dela.  Se quisermos que ela seja voltada para a banalidade e para o vazio, ela será.  Se quisermos que ela seja dinâmica e educativa, ela será, independente da plataforma em que o texto se apresentar.  A melhor tecnologia é a nossa mente.  Ela pensa, raciocina, intui, cria.

E, quanto ao livro de papel, ainda veremos nossos netos e talvez bisnetos com ele na mão por um bom tempo.  Essa migração definitiva ainda está distante de acontecer.

Ler é o mais importante.  Ler para refletir, se divertir, ter ideias, posicionar-se, trocar de opinião.

 

Fonte:  ZeroHora/Lelé Guerra (Professora do Ensino Fundamental, pedagoga multimeios, escritora) em 15/01/2016