Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Literatura Soviética na Feira do Livro
Literatura Soviética na Feira do Livro

ARTE SOVIÉTICA

 

VERMELHOS DE TODOS OS MATIZES

 

Uma mesa na Feira hoje (aconteceu em 03/11) vai abordar os grandes nomes da literatura russa no século 20. Com o título LITERATURA SOVIETICA PRA BRASILEIRO LER… CADÊ?, o evento contará com a professora Denise Regina de Sale, das áreas de língua e literatura russas do Instituto de Letras da UFRGS, e com a aluna de graduação Nathalie de Souza Kappke.

 

O momento é oportuno, pois em 2017 são lembrados os cem anos da Revolução Russa. Na mesa, as estudiosas abordarão tanto os autores que seguiram a cartilha do realismo socialista quanto aqueles que se tornaram dissidentes do regime, pagando um preço caro por isso. A ideia é mostrar aos participantes, em linguagem acessível, a diversidade da bibliografia disponível em livrarias e sebos no Brasil, valorizando o trabalho dos tradutores – a própria Denise verteu do russo Varlam Chalámov, Nikolai Leskov, Anton Tchékhov e Mikhail Zóschenko.

 

Um dos aspectos para o qual a professora chama atenção é a variedade de acepções da expressão “literatura soviética”. Em um dos sentidos, o termos se refere às obras publicadas na União das repúblicas Socialistas Soviéticas (USSS) – ou fora dela, no caso de títulos censurados – de 1922 a 1991, período de existência oficial do bloco.

 

- Outro conceito de literatura soviética amplia essa ideia para tudo que está relacionado a “soviete”, ou seja, o que é decidido em conselhos, coletivamente, e que terá por extensão o significado de comunista. Assim, contemplamos o romance fundador do realismo soviético: A MÃE, de Górki, que é de 1906. Estritamente falando, ainda não era um período soviético, mas essas ideias já estavam presentes no livro – explica Denise, que prefere definir a literatura soviética inserindo todas as repúblicas que integraram o bloco.

 

É no Congresso da União dos Escritores Soviéticos de 1934 que o realismo socialista é aprovado como dogma artístico oficial do regime e o único aceitável, ou seja, uma literatura que sublinhasse a ideologia do Partido Comunista. Entre seus representantes estão autores coo Marietta Chaguinian. Por outro lado, nomes como Aleksandr Soljenítsin e Chalámov registraram os horrores dos campos de prisioneiros, respectivamente, em O ARQUIPÉLAGO GULAG e CONTOS DE KOLIMÁ, esta em seis volumes publicados no Brasil desde 2015.

 

Escritores que ganharam o prêmio Nobel, como Soljenítsin, também são abordados no evento na Feira do Livro – entre eles, Ivan Búnin, Bóris Pasternak (autor de DOUTOR JIVAGO, que inspirou o filme) e Mikhail Sholokhov. Para Denise, pode-se acrescentar à lista Svetlana Aleksiévitch, que recebeu a distinção em 2015:

 

- Ela nasceu na Ucrânia na época em que fazia parte da URSS e fez sua formação na Bielorrússia, hoje o país mais alinhado à Rússia entre as ex-repúblicas. As manchetes no Brasil sobre seu Nobel foram calcadas no fato de ser uma mulher, mas na Rússia se valorizou o fato de escrever em russo.

 

Fonte: ZeroHora/Fábio Prikladnicki (fabio.pri@zerohora.com.br) em 03/11/2017.