Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
14





                                              

                            

 

 

 


Literatura Contra Efeito Sépia
Literatura Contra Efeito Sépia

LITERATURA CONTRA EFEITO SÉPIA

 

O Caderno de Sábado explora dois grandes nomes da poesia brasileira, em entrevistas com os octogenários Ferreira Gullar e Augusto de Campos; o suplemento trata do conformismo dos intelectuais a partir do livro de Michel Maffesoli e Hélène Strohl.

  1. Augusto de Campos, poesia concreta em carne e osso/Entrevista*
  2. A poesia brasileira vive em Ferreira Gullar/Entrevista*
  3. Por um liberalismo comunitário/Entrevista Hélène Strohl**
  4. O intelectual pós-moderno/Entrevista Michel Maffesoli**

 

Tudo pulsa como sempre:  a poesia de Augusto de Campos, a poesia de Ferreira Gullar, a literatura produzida no Rio Grande do Sul e a polêmica emanada de Paris.  Tudo pulsa conforme os gostos de cada um.  Há quem se apegue ao passado como a uma nostalgia paralisante.  Só no passado haveria intelectuais, obras-primas, polêmicas e cultura com “C” maiúsculo.  Ilusão.  Efeito sépia.  Tudo se tornou mais leve, mas não menos pulsante.  Gilles Lipovetsky, em “Da Leveza”, mostra que tudo, da tecnologia à arte, ficou menor, mais ágil e menos empolado.  Os artigos culturais de antigamente abusavam do que no jornalismo se chama de “nariz de cera”:  excesso de introdução.  A Wikipédia e o Google acabaram com o artigo enciclopédico fornecedor de informações básicas.  Hoje, o desafio é maior:  ser criativo e inovador.  Nada mais.

Intelectuais costumam se caracterizar pela negatividade.  Pessimismo presente, hipervalorização do passado e, no caso do marxistas (ainda existem), otimismo quanto ao futuro.  O passado teve o seu brilho.  O futuro certamente não será pior.  Por que seria?  O presente tem os seus encantos nem sempre devidamente valorizados.  Estamos mais livres das obrigações do gosto, menos elitistas e mais céticos.  Há quem não goste disso.  O culto do passado, no caso, serve como estratégia de distinção criando um “como nós éramos bons” mítico e consolador.  Nunca mais seremos os mesmos.  Eis o lema da juventude perdida.  A vida continua.  A cultura também.  Menos mestres, menos discípulos, mais aventura.  Tudo é permitido.  A posteridade morreu.

Nesta edição do Caderno de Sábado, exploramos velhos nomes que se renovam como poetas:  Augusto de Campos e Ferreira Gullar, do concretismo ao pós-tudo.  Duas entrevistas para inventariar o passado, analisar o presente e arriscar o futuro.  Campos está na área com novo e originalíssimo livro, “Outro” [Perspectiva].  Gullar brilha na poesia e barbariza nas crônicas com teor político na Folha de S. Paulo.

Exploramos também uma polêmica incandescente a partir do lançamento do livro de Michel Maffesoli e Hélène Strohl, “O Conformismo dos Intelectuais” (Sulina).  Os autores atacam a eterna dependência dos intelectuais ao Estado máximo, defendem uma espécie de liberalismo comunitário, baseado em menos Estado e mais solidariedade de base, denunciam as universais estratégias de compadrismo e de covardia dos intelectuais, quase sempre prontos a joguinhos de conivência e a silenciar diante dos abusos da corporação, e falam em falência do Estado do Bem-Estar Social francês.  Um tema totalmente explosivo.

O novo, como dizia a canção, sempre vem.  O jornalista alegretense Tibério Vargas Ramos investe no romance com “Sombras Douradas” (AGE).   Em resenha o professor Cláudio Mércio classifica a obra como expressão do “pós-modernismo gaúcho”.  A tentação da perfeição só no passado é uma lente que deforma o olhar desde sempre.  Depois da querela entre modernos e antigos, a controvérsia entre pós-modernos e modernos, sendo que os antigos agora são os modernos.

 * Leia na íntegra em POESIA A ARTE DO POETA

** Leia na íntegra em LITERATURA UNIVERSAL - ARTIGOS E REPORTAGENS

Fonte:  Correio do Povo/Caderno de Sábado/Juremir Machado da Silva (Coordenador Editorial) em 05/09/2015.