Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Licença para Estuprar... por Arnaldo Leodegário
Licença para Estuprar... por Arnaldo Leodegário

Licença para Estuprar...

(crônica)

 

Apologia ao estupro?....

Estupro artístico?....

 

         Convivemos diariamente com cenas de “amor” na televisão. São cenas que ultrapassam o limite do bom censo, uma afronta aos limites do que é real ou do que é artístico. Assistimos cenas em uma novela das 18:00hs, das 20:00hs, ou das 21:00hs.   Horário “nobre” em que um suposto vilão induz a moçinha, que tem um outro namorado, a tomar bebida alcoólica e em seguida pratica relações sexuais com a mesma. Tudo com o pretexto de (Liberdade de expressão), ou “tudo em prol da Arte”. Ora, isso em um contexto que está mais para um estupro do que para uma relação consentida. Imaginem que um garoto com doze ou treze anos assista tais cenas, logo depois, já sabendo que “tudo pode” ou “tudo é normal”, passa a estuprar, não uma mulher adulta, más sim uma criança indefesa de três ou quatro anos.  

        Só para citar alguns casos, há algumas semanas a imprensa de Campo grande MS noticiou dois casos: em um deles um adolescente de quatorze anos estuprou um menino de sete. Em outro caso, na semana seguinte outro garoto com doze anos teria forçado relações sexuais com um menino de apenas cinco anos. Pergunta-se: Será que nesses, como também em outros casos, esses jovens não teriam sido influenciados por uma dessas cenas de novelas ou filmes?... Pois, mesmo em cenas em que o “amor” tem o consentimento da parceira, são cenas de uma realidade abusiva, cenas longas com tantos detalhes e outros enfeites e exageros que chegam até ser agressivas para quem está assistindo.

        Será que para se ter Liberdade de Expressão ou mesmo em nome da “Arte” há que ser um conteúdo tão “realista” chegando ao ponto de ser abusivo? E a cabeça dos (as) adolescentes que não teêm uma mentalidade e personalidade formadas, como é que fica?... E as psicólogas ou psicólogos de plantão, que estão sempre a dar seu parecer “técnico” quando sempre são chamados, o que dizem de tudo isso?  E os próprios atores que tudo fazem “em nome da Arte”, o quê pensam? O que dizem disto?... Só se deve repudiar, fazer passeatas, empunhar cartazes pedindo “paz”, dizendo: Abaixo a violência!!!.. Abaixo o Estupro!!! Queremos paz!!!...  Quando o suposto estuprador é aquele camarada de baixa escolaridade e cultura lá de um bairro da periferia, lá do subúrbio?

       E a apologia ao estupro? A licença para estuprar, o Estupro artístico, servidos na bandeja pela televisão, no horário “Nobre”, aos cidadãos “cultos” a titulo de entretenimento? Todos são unânimes em defender a Liberdade de Expressão.  Porém, que liberdade é essa, que insufla, induz à má conduta, ao desvio de caráter, e todas mazelas mais? .... Então temos mais uma vez, na contra-mão a hipocrisia do:

Abaixo a Violência!!!

Abaixo o e Estupro!!!

          Se a segurança está vinculada à boa educação, e à boa formação de caráter dos cidadãos, então as emissoras de rádio e televisão, assim como os outros veículos de comunicação em massa, são SIM responsáveis pela des-educação coletiva, ao exibir conteúdos de forma acintosa e apelativa, cujo objetivo é meramente comercial.  Estarão prestando um des serviço na formação educacional de toda a sociedade. Então... Quando acontecem tragédias envolvendo principalmente cidadãos de baixa escolaridade

e renda, moradores nas periferias, as Tvs, se perfilam todas a “prestar” sua solidariedade e esclarecer: “Nosso caráter é de utilidade púbica”!....  

Será???

Será que é mesmo???

Será que querem paz mesmo?

Será que isso não contradiz os índices de audiências das TVs???

Se houver paz, o que as emissoras vão fazer com essa pasmaceira? E a audiência delas?

 

Este texto está registrado no Escritório de Direitos Autorais Sob o nº  576-645 Livro 1-101 Folha 218 Em 03/10/2012 RJ.