Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
5





                                              

                            

 

 

 


Henrique Mann, entre Fados e Serestas em Coimbra
Henrique Mann, entre Fados e Serestas em Coimbra

ENTRE FADOS, SERESTAS E HISTÓRIAS

 

Henrique Mann traz surpresas das pesquisas realizadas em Coimbra.

 

Decidido a desenrolar o novelo que liga ancestralmennte o fado à música brasileira, o músico e pesquisador gaúcho Henrique Mann está desde domingo passado pela quarta vez em Coimbra, para complementar as pesquisas que faz desde 2011. Ao lado da esposa, a professora de História Leandra Vargas, ele já vinha estudando o fado de uma maneira geral, com mais foco na história do gênero em Lisboa, mas ao conhecer o fado de Coimbra percebeu que havia muita diferença entre os dois.

 

- Me interessei em saber que diferença era aquela e fui conversar com experts, como o reverenciado maestro Virgílio Caseiro e o historiador António manuel Nunes, maior autoridade portuguesa em música de Coimbra – conta Mann. - Aliás, lá não é usada a denominação “fado”. Todos a definem como “canção de Coimbra”.

 

A partir das entrevistas e da leitura de livros desses mestres, entre outros, Mann foi informado da ligação da pianista e maestrina carioca Chiquinha Gonzaga (1847 – 1935) com músicos de Coimbra. E a certa altura da pesquisa, aqui e lá, surgiu uma revelação que espantou os próprios portugueses: algumas letras de músicas populares, tidas como do folclore ou de autor desconhecido, eram poemas do também carioca Casimiro de Abreu (1839 – 1860)), filho de um lusitano e uma brasileira. Essa é uma das histórias inéditas que estarão no livro de Mann e Leandra, cujo título provisório é O FADO, A SERESTA E A CANÇÃO DE COIMBRA. Pois é, a seresta, uma secular tradição brasileira, seria interessante ver como entra a história. Mas ele prefere não antecipar. Um terço do texto já está no computador, lançamento provável em 2018.

 

Henrique Mann diz que seu lado de pesquisador, talvez influenciado por Leandra e pela mãe dele, também professora de História, veio à tona quando materializou o que chama de “enciclopédia”: a coleção de 30 fascículos SOM DO SUL – A HISTÓRIA DA MÚSICA DO RIO GRANDE DO SUL NO SÉCULO XX, lançada em 2002 – e em formato de livro no ano seguinte. O trabalho, com as biografias essenciais de mais de cem nomes, entre outras informações, é visto por ele como um dos mais importantes de sua trajetória.

 

- Ganhei dois prêmios Açorianos diferentes pela mesma obra, o de Literatura e o de Música. Ainda hoje me procuram de todos os lados querendo saber onde encontrar. No interior, rádios pautam sua programação com os fascículos, pois neles estão as datas principais envolvendo vida e obra desses artistas.

 

Faltou um nome no SOM DO SUL: o de Henrique Mann, que insiro agora, quando o lançamento completa 15 anos. Também em 2017, seu primeiro disco, QUINTANARES, comemora 30 anos, e o segundo, PORTO ALEGRE BOÊMIA, 20. Além desses, tem o volume 2 de PORTO ALEGRE BOÊMIA (1998) e NORTE IN SUL (2002), mais os livros MPB EM DEBATE (1991) e RETRATOS DA VIDA BOÊMIA (1995). Tocou na noite de 1979 a 1996, passou pela maioria dos bares com música ao vivo cantando só música boa de todos os gêneros. Foi coordenador de Música da Secretaria da Cultura de Porto Alegre de 2005 a 2007, criando projetos como Sons da Cidade e Encontrabanda. Hoje está em Portugal, onde já deu aulas sobre música brasileira. O projeto é ficar dois meses. Mas tem sérios planos de viver na Europa. Se for, perderemos um artista culto, versátil e generoso.

 

 

Fonte: ZeroHora/Paralelo 30/Juarez Fonseca (juafons@gmail.com) em 06/10/2017.