Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
12





                                              

                            

 

 

 


Grande Contador de Histórias
Grande Contador de Histórias

GRANDE CONTADOR DE HISTÓRIAS

 

SARAMAGO – O LEITOR ENCONTRA EM SEUS ROMANCES AQUELA FANTASIA FICCIONAL E ALEGÓRICA, CAPAZ DE FAZÊ-LO VIAJAR POR MUNDOS ESTRANHOS E POSSIBILIDADES INSÓLITAS.

O NARRADOR DE SARAMAGO NÃO É AQUELE CONTADOR DE HISTÓRIAS QUE IMPÕE A SUA VERSÃO DEFINITIVA DOS FATOS, COMO SE RECITASSE UMA LIÇÃO.

 

A atribuição a José Saramago do Prêmio Nobel de Literatura, em 1998, só veio consolidar o reconhecimento da crítica e o sucesso de público que a obra do autor conquistou em Portugal e no estrangeiro.  Jornalista e cronista (DESTE MUNDO E DO OUTRO, 1971; A BAGAGEM DO VIAJANTE, 1973), contista (OBJETO QUASE, 1978) e poeta (OS POEMAS POSSÍVEIS, 1966; PROVAVELMENTE ALEGRIA, 1970), foi como romancista que o autor se consagrou, sobretudo com a publicação de LEVANTADO DO CHÃO (1980), depois de um primeiro e esquecido romance TERRA DO PECADO (1947) e seu MANUAL DE PINTURA E CALIGRAFIA (1977), espécie de ensaio sobre representação artística e seu compromisso com homem e sociedade.

 

 

Acima de tudo, Saramago é um excepcional contador de histórias.  O leitor  encontra em seus romances aquela fantasia ficcional e alegórica, capaz de fazê-lo viajar por mundos estranhos e possibilidades insólitas: era uma vez uma revisor de textos que ousou subverter a história de Portugal impondo um NÃO ao apoio dos cruzados ao rei português na luta contra os mouros (HISTÓRIA DO CERCO DE LISBOA, 1989); a península ibérica que se desprendeu da Europa e deslocou pelo Atlântico afora (A JANGADA DE PEDRA, 1986); uma inexplicável e súbita cegueira, que se alastrou por Lisboa, poupando uma única mulher (ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, 1995); a Morte que se negou a dar cabo dos homens (AS INTERMITÊNCIAS DA MORTE, 2006); e assim por diante.  Por outro lado, suas intrigas abrangem o mais comezinho, a rotina sofrida e as conquistas diárias da dita arraia-miúda.

 

 

Um dos romances mais exemplares dessa heroicização do homem simples é LEVANTADO DO CHÃO (1980), dedicado a narrar a luta incansável de camponeses portugueses por direitos básicos, como a redução da carga de trabalho para oito horas diárias.  Embora tenha em mira a realidade circundante e contemporânea, Saramago explora, com frequência, enredos e personagens tradicionais: sejam eles historiográficos (como em MEMORIAL DO CONVENTO, 1982, ou em A HISTÓRIA DO CERCO DE LISBOA, 1989), bíblicos (como em O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO, 1991, e CAIM, 2009) ou literários (como em O ANO DA MORTE DE RICARDO REIS, 1984).  Tais enredos são reconfigurados ficcionalmente, com o propósito de denunciar atos de violência e injustiça (como os cometidos pela Inquisição católica e a ditadura salazarista) e de valorizar a vida de marginalizados e oprimidos, cujos pontos de vista subvertem os sentidos do passado.  Em algumas de suas últimas obras (ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, 1995; TODOS OS NOMES, 1997; A CAVERNA, 2000: O HOMEM DUPLICADO, 2002; ENSAIO SOBRE A LUCIDEZ, 2004; AS INTERMITÊNCIAS DA MORTE, 2006), Saramago cultiva intrigas menos localizadas, abandonando figuras e episódios do imaginário cultural português para representar a condição humana em uma sociedade globalizada e consumista, atento, talvez, à dimensão internacional que sua obra tomou.  Em A CAVERNA, por exemplo, artesãos perdem a base do seu sustento, incapazes de concorrer com o mercado de com sumo.  Em O HOMEM DUPLICADO, o protagonista descobre seu sósia num ator de cinema e tem de conviver com o dilema da “dupla identidade”.

 

 

O narrador de Saramago não é aquele contador de histórias que impõe a sua versão definitiva dos fatos, como se recitasse uma lição.  Um dos maiores atrativos dessa narração está na constante autoreflexividade, na explicitação do caráter relativo e parcial do discurso.  Assim, bem longe de uma posição passiva e cômoda, o leitor é convidado constantemente a questionar a própria forma e o conteúdo do que está lendo.  Nem por isso, o tom crítico do narrador é menos incisivo.  Irônica e zombeteira, sua voz é capaz de implodir aquelas crenças mais estáveis, atingindo até dogmas e verdades há séculos intocáveis.  E talvez esteja na releitura de mitos religiosos sua atitude mais subversiva e controversa.  Marca também essa enunciação desassossegada é a costura de diferentes registros discursivos, dialetos, clichês e provérbios, configurando uma escrita democrática, sensível a distintas – e não raro conflitantes – vozes sociais.

Do pouco que aqui foi dito sobre obra tão diversificada, é possível perceber a unidade de um projeto que se orienta por um intuito humanista.  Com vestígios mais ou menos evidentes da inclinação marxista do autor, os romances de José Saramago, em geral, representam a secular luta do homem contra a opressão e a ignorância, sustentadas por instituições autoritárias e legitimadas por discursos hegemônicos e homogeneizantes.  Sem dúvida, o que fica da leitura desse clássico da literatura portuguesa contemporânea é a busca de um sentido mais genuíno do humano, sugerido provisoriamente na representação das cenas mais corriqueiras, por homens simples e por gestos desarmados de preconceitos e interesses.  Ou, ainda, a busca de uma  noção mais legítima de amor: não o amor romântico, idealizado e artificioso, mas aquele livre de amarras e convenções, feito de desejos naturais e afinidades bem comuns, como o de Blimunda Sete-Luas e de Baltazar Sete-Sóis, tão vulgar e tão sublime ao mesmo tempo.

 

Fonte:  Correio do Povo – CS Caderno de Sábado/Raquel Trentin Oliveira (Professora do Curso de Letras da Universidade Federal de Santa Maria) em 10 de outubro de 2015.