Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
6





                                              

                            

 

 

 


Franz e Frank
Franz e Frank

FRANZ E FRANK

 

Fora os primeiros nomes parecidos, Franz Kafka e Francis Sinatra nada têm em comum.  Um foi um escritor checo, nascido em Praga, então uma cidade do império Austro-Húngaro, em 1883, outro um cantor popular nascido em Hoboken, cidade portuária dos Estados Unidos, em 1915.  O que os une, levemente, é apenas uma coincidência de datas.  Este é o ano do centenário do nascimento de Sinatra, e 1915 foi o ano da publicação de A Metamorfose, o conto mais conhecido e citado de Kafka, aquele em que o personagem acorda, certa manhã, transformado em um gigantesco inseto.

 

Não há paralelo possível entre as duas vidas, mas minha experiência é que basta forçar um pouco qualquer assunto para se ter uma tese.  Talvez o que também uma o Franz e o Frank seja um engano reincidente na apreciação do que os dois fizeram.  Kafka sempre oi considerado um arauto dos tempos negros que se aproximavam, com a derrocada da Europa em guerra e o fascismo já apontando no horizonte.  Ele também foi visto com o um símbolo dos absurdos da vida moderna, tanto que, depois, “kafkiano” entraria no vocabulário até de quem nunca lera Kafka para descrever as engrenagens insanas e a burocracia sem sentido trazidas pelo novo.  Mas, acho eu, o que Kafka realmente descrevia não eram as agruras do novo e o pesadelo que o futuro nos reserva, mas o peso do passado, solidificado num Estado velho e obsoleto que não saía de cima.  Como retratado em O Processo.

 

O engano, no caso do Sinatra, é que sempre lhe deram o valor que sua voz incomum merecia, desde que ele apareceu, no começo dos anos 40, como ídolo das menininhas, mas era o valor errado.  Depois das pubescentes, ele conquistou plateias de todas as idades e gostos, tornou-se ator, teve seu momento de quase ostracismo, mas voltou por cima, e foi até sua morte o grande pop star do século.  Mas a revista Downbeat, que todos os anos publica um ranking dos melhores artistas de jazz eleitos por críticos e leitores, nunca se deixou enganar.  Ano após ano, deu a Sinatra seu valor certo, o de grande cantor de jazz.

 

 

 

Não se tem notícia de um improviso do Frank Sinatra.  Ele nunca fez nada parecido com o “scat singing”, canto sem palavras, de uma Ella Fitzgerald, por exemplo.  No máximo, recorria a uma nuance ou um fraseado peculiar para personalizar a canção – como se houvesse perigo de alguém não reconhecer sua voz.  Por que, então, era considerado, e premiado, como cantor de jazz, mesmo acompanhado por cem violinos românticos em arranjos melosos?  Mistério.  Talvez a explicação seja que uma nuance bem colocada e um fraseado peculiar têm mais poder do que se pensa, pelo menos entre os seguidores do jazz.

 

Kafka pertencia a três tradições literárias, a três línguas diferentes.  Era checo, escrevia em alemão e lia ídiche.  Seus textos eram, muitas vezes, parábolas de estranhamentos, não extremos como o de um homem transformado em inseto, mas o de um autor escrevendo numa língua que não a materna, e por isso capaz de usá-la com nuances e fraseados – e estranhamento – inéditos.  (Ele escreveu no seu diário que a língua alemã o impediu de amar sua mãe como deveria, pois era impossível chamar uma mãe judia de “Mutter”.  Para ele, uma mulher judia chamada de “Mutter” seria não apenas cômica como estranha) Sinatra também foi um estranho na língua da música popular americana, mesmo sendo seu melhor intérprete.  E usou a aura, o timbre – enfim, o mistério – trazido da sua outra língua, o jazz, para enobrecê-la, como Kafka fez com o alemão.  Fim da tese.

 

Fonte:  ZeroHora/L.F. Verissimo (verissimo@zerohora.com.br) em 20/12/2015