Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Escritor Mesmo de Martha Medeiros
Escritor Mesmo de Martha Medeiros

 

ESCRITOR MESMO

De Martha Medeiros

 

Sempre me considerei uma mulher adaptável.  Me convide para um baile na corte ou um churrasco na laje, e me sentirei em casa pelo simples fato de estar bem assentada em mim.  O que vier eu destrincho, desdobro.

Isso até outro dia, quando voltei a frequentar a única espécie de roda que me faz tremer na base: a dos festivais literários.  No início correu tudo bem, conversei com colegas que conhecia de vista ou de nome, rimos muito, viramos uma turma, mas houve um momento em que os astros deram uma pirueta nos céus e desconfiguraram a cena: sem entender como, fui parar numa mesa de restaurante com três figurões da literatura com quem nunca havia interagido antes.  Calma, qual o espanto?  É só participar do papo, você já fez isso mil vezes.

Aí é que está.  O papo foi sobre as variadas vertentes do judaísmo.  A filosofia alemã do século 18.  Os mais influentes documentários políticos da história.  As consequências da xenofobia francesa para a economia.  Quando escutei um deles declarar furioso “Nem arrastado eu moraria em Paris”, pedi licença, me levantei e fui ao encontro de uma blogueira divertida que amaria estudar em Paris, casar em Paris, ser infeliz em Paris.

Há gente que vive de escrever e há os escritores mesmo.  Aqueles da mesa eram escritores mesmo.  Alto padrão intelectual.  Colecionadores de prêmios.  Catedráticos viajados, virtuoses da língua, candidatos fortíssimos à Academia Brasileira de Letras.  Eu?  Uma penetra.  Mesmo.

Esse episódio me fez lembrar uma conversa que tive com um amigo da adolescência que convive comigo desde sempre, sabe a gaiata que sou, e que me disse que muita gente que não me conhece pensa que, se me levar a um restaurante, vai ter que enfrentar essa mesma discussão filosófico-cultural.  Dei risada.  Ele me olhou bem sério e disse que não era brincadeira: escritores assustam, ele garantiu.  Quase chorando, perguntei: isso significa que estou ferrada?  Ele me abraçou e disse: está, amiga.  Se quiser sair e namorar, entre no Facebook e procure a turma da praia, do colégio, do clube, do bairro, aqueles que conviveram com você antes de você ter dado certo.

Fiquei tão desolada que ele me pagou outra cerveja.

Era machista sua avaliação, mas, quando me vi cercada pelo grupo erudito, entendi.  Se aquela era a imagem que se fazia dos escritores, coitados de nós.  Estávamos em maus lençóis.  Quem se aproximasse acreditaria estar condenado a debates e palestras até durante o bem-bom.

Há os escritores mesmo, cuja sabedoria sobressai desde o aperitivo até a sobremesa (e têm todo o meu respeito), e há aqueles que apenas tiveram o privilégio de publicar seus textos e que dão pitacos sobre cultura pop, cinema, viagens, televisão, futebol, encrencas, roubadas, amores, alegrias, assumindo o mundanismo que os constitui.  Não sou uma escritora mesmo.  Não sou nada que mereça o “mesmo” como reforço.  Meio baile na corte, meio churrasco na laje.  Mesmo, mesmo, bem intencionada – e só.

Fonte: Revista DonnaZH-16/11/2014