Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Escolas Literárias III
Escolas Literárias III

 

ESCOLAS LITERÁRIAS III       

 

ROMANTISMO

PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX

EUROPA

O movimento literário conhecido como Romantismo coincide com um período agitado da história da Europa:  a Revolução Francesa e o Império Napoleônico.  Esses fatos significaram a liquidação, na Europa Ocidental, das instituições do Antigo Regime, muitas das quais eram mantidas desde a Idade Média.  A burguesia substituiu a nobreza como classe dominante e as relações sociais se modificaram.  O Romantismo, que foi uma reação contra o Arcadismo, exaltava a beleza ideal, a tradição e o nacionalismo, ao mesmo tempo em que demonstrava profunda aversão ao Absolutismo.

A produção literária da época foi efervescente.  Destacam-se no período:

Inglaterra:  Lord Byron, Percy Bysshe Shelley, John Keats, jane Austen, Walter Scott.

Alemanha:  Johann Wolfgang Goethe, Friedrich Schiller, George Wilhelm Friedrich Hegel.

França:  Alphonse de Lamartine, Victor Hugo, Alfred de Vigny, Alfred de Musset, Franços-René de Chateaubriand, Alexandre Dumas, Alexandre Dumas Filho.

Itália:  Giacomo Leopardi, Alessandro Manzoni.

Rússia:  Alexandr S.Pushkin, Nikolai Gogol.

Estado Unidos:  Edgar Allan Poe, James Cooper, Nathaniel Hawthorne.

 

LITERATURA

O Romantismo não foi só um movimento literário, mas uma expressão total do espírito.  O individualismo, a melancolia, o gosto pelo pitoresco e pelo fantástico, a exaltação da natureza, o espírito idealista, mesmo não sendo novidades no século XIX, encontraram sua expressão literária mais desenvolvida.  A Grécia e a Idade Média foram dois pontos de referência para o homem romântico, que enxergou no mundo clássico, a harmonia e o equilíbrio nunca recuperados, e no mundo medieval, uma época de fantasia e sonho.

 

CARACTERÍSTICAS

- O coração, a sensibilidade.

- Subjetivismo, fantasia.

- Temas cristãos e nacionais.

- Retorno à cultura medieval.

- A democratização da arte.

- Arte feita para o povo.

- Originalidade.

- Liberdade criadora.

- O particular, o individual.

- Melancolia.

- Cristianismo.

- O universo sou “eu”.

- Metáforas.

- Expressão do irracional e exuberante.

- Sentimentalismo doentio.

- Idealismo aéreo.

- Olhos no passado.

- Espiritualismo.

- Fantasia e imaginação criadora.

- Arrebatamento de ideias.

- Arte como possibilidade de evasão.

- Negligência formal.

- O poeta se lamenta.

- A beleza do poema está no conteúdo.

 

REALISMO

SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX

EUROPA

Após a reação absolutista que se seguiu à Revolução Francesa, a burguesia liberal se consolidou como classe dominante.  O ciclo cultural próprio da época, o Romantismo, inspirou ideais de unidade nas nações que ainda não haviam superado a fragmentação de seus territórios e desejos de emancipação nos povos submetidos à dominação estrangeira.  Entretanto, a Revolução Industrial e a expansão colonial modificaram radicalmente o panorama histórico europeu.  As transformações tecnológicas propiciadas pela Revolução Industrial modificaram as estruturas sociais, alteraram as relações de trabalho e impulsionaram o desenvolvimento.  O dinamismo imprimido à economia afetou a vida das pessoas e os movimentos artísticos, que passaram a refletir essa nova situação histórica.

Os representantes mais importantes da época realista são:

França:  Henry Beyle (Stendhal), Honoré de Balzac, Gustave Flaubert, Émile Zola, Guy de Maupassant, Jules Verne.

Inglaterra:  Charles Dickens, Robert Louis Stevenson, Lewis Carroll.

Rússia:  Fiodor Dostoievski, Leon Tolstoi.

Portugal:  José Maria Eça de Queirós.

Estados Unidos:  Herman Melville, Mark Twain.

 

LITERATURA

O tom intimista e subjetivo da literatura romântica foi se apagando para dar lugar ao exercício da objetividade.  A observação da realidade externa e próxima e a preocupação com o cotidiano superaram o gosto pelo exótico, pelo fantástico e pelo irreal.  Alguns traços de romantismo tardio ainda resistiram mas o idealismo romântico foi aos poucos substituído por um conceito prático da vida.  O progresso material, o predomínio da classe burguesa e a criação de novos inventos revolucionaram a natureza da sociedade e a qualidade da vida humana.  O romance foi o gênero que melhor representou o novo homem e a nova época.

 

CARACTERÍSTICAS

- Observação impessoal.

- Idealismo reformador.

- Olhos no presente.

- Panteísmo.

- Supremacia da verdade física.

- Materialismo otimista

- Objetividade.

- Exatidão e veracidade.

- Temas cosmopolitas.

- Documentação da realidade.

- Análise, reflexão, observação.

- Espírito científico.

-República.

- A atualidade.

- O mundo como ele é.

- O autor observa.

- Preocupação com o estilo.

- Tendência a retratar a realidade interior.

- Romance psicológico.

 

PARNASIANISMO

A poesia parnasiana foi contemporânea ao movimento realista na prosa.  Na segunda metade do século XIX os poetas procuraram abster-se dos excessos líricos subjetivos próprios do Romantismo.  A tendência então era de um maior rigor formal e conceitual.  Sem renunciar à expressão direta da experiência individual, os poetas buscavam a perfeição da linguagem, ao mesmo tempo em que os versos adquiriam conteúdos de maior intensidade.  O Parnasianismo pregava a “arte pela arte”, ou seja, a rejeição do mundo vulgar em nome da busca da beleza absoluta.

 

CARACTERÍSTICAS

- Poesia aristocrática

- A arte é luxo.

- Rigor formal.

- Panteísmo.

- O poeta descreve.

- Volta à cultura clássica.

- Poema frio.

- Positivismo.

- Impassividade.

- Afastamento.

- Preferência pelo soneto.

- Aniquilamento do eu.

- A beleza do poema está na forma.

 

NATURALISMO

(Vertente do Realismo)

Durante o apogeu do Realismo cultivaram-se dois tipos de obras, as realistas e as naturalistas.  Os dois tipos possuíam os mesmos princípios; a diferença estava no grau de cientificismo empregado e no modo de enfocar a sociedade contemporânea.  O Naturalismo é um tipo exagerado de Realismo, devido ao excessivo apego que demonstra pelas leis naturais.

 

CARACTERÍSTICAS

- O autor experimenta.

- Profunda preocupação social.

- Preocupação com a vida.

- Tendência em retratar a realidade exterior.

- Fala de experiências que só a ciência poderia realizar.

 

SIMBOLISMO

FIM DO SÉCULO XIX, INÍCIO DO SÉCULO XX

EUROPA

Em 1886 o movimento parnasiano sofreu uma cisão, quando alguns poetas lançaram o “Manifesto Simbolista”, propondo que a realidade se relacionava mediante correspondência e era percebida somente através da evocação.  Iniciado na França, por Baudelaire, Rimbaud e Mallarmé, o Simbolismo encontrou ressonância em praticamente todos os países da Europa e também nos Estados Unidos.

Os artistas que mais se destacam são:

França:  Charles Baudelaire, Paul Verlaine, Stéphane Mallarmé, Arthur Rimbaud.

Inglaterra:  Alfred Tennyson, Robert Browning, Oscar Wilde, George Bernard Shaw.

Portugal:  Eugênio de Castro, Antônio Nobre, Camilo Pessanha.

Itália:  Giosué Carducci.

Espanha:  Gustavo Adolfo Bécquer.

Estados Unidos:  Walt Whitman, Emily Dickinson.

 

LITERATURA

Em Portugal a manifestação do Simbolismo esteve atrelada às revistas Os Insubmissos e Boêmia Nova, fundada por estudantes de Coimbra.  Eugênio de Castro, que se enquadrou ao novo gênero importado da França, é considerado o introdutor do Simbolismo em Portugal.

 

CARACTERÍSTICAS

- Interioridade.

- Culto do sonho.

- Ideias desconexas, envoltas em sombra, em névoa.

- Poema endereçado à emoção.

- Aproxima-se da música.

- O poema sugere, através do som, sensações ao inconsciente.

- Volta ao Romantismo.

- Ideia nebulosa.

- Rimas elaboradas em nome da música.

- Contém os germes dos movimentos de vanguarda,

 

MODERNISMO

INÍCIO DO SÉCULO XX, SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX

EUROPA

A literatura do século XX surgiu de uma ruptura com os valores em vigor.  A crise de consciência da burguesia provocou o afastamento de intelectuais das posições políticas e culturais de sua própria classe.  As duas guerras mundiais serviram para demonstrar que os avanços da ciência e da tecnologia não tinham conseguido fazer a vida do homem mais feliz. Os escritores sentiam urgência em revisar os valores herdados e substituí-los por outros novos.  Ao mesmo tempo, a psicanálise permitia a busca da intimidade como fonte da consciência.  Afirmou-se então a liberdade criadora e surgiram múltiplos movimentos de vanguarda, que agruparam tendências artísticas muito diversas.

Dentro deste contexto destacam-se os seguintes artistas:

França:  Guillaume Apollinaire, André Breton, Louis Aragon, Paulo Éluard, Paul Valéry, Paul Claudel.

Romênia:  Tristan Tzara.

Itália:  Filippo Tommaso Marinetti, Giuseppe Ungaretti, Eugenio Montale.

Inglaterra:  William Yeats, T.S.Eliot.

Alemanha:  Rainer Maria Rilke.

Portugal:  Fernando Pessoa.

Grécia:  Connstantin Kavafis.


LITERATURA

A literatura modernista foi influenciada por diversos movimentos de vanguarda, tais como:

CUBISMO:  o movimento cubista tinha como principal característica decompor a realidade para recompô-la livremente, mesclando conceitos e imagens.  O principal representante da arte cubista é Guillaume Apollinaire.

DADAÍSMO:  propunha a aniquilação absoluta de todos os valores estéticos e a criação de uma linguagem incoerente.  Trintan Tzara é seu maior representante.

FUTURISMO:  elaborado pelo italiano Marinetti, o futurismo exaltava aspectos da vida moderna, como as máquinas e a velocidade, e afirmava que a arte só podia ser injustiça, violência e crueldade.

SURREALISMO:  nascido na França, pelas mãos de André Breton, propunha uma liberação total do homem, que deveria concordar com a super realidade (daí o nome de Surrealismo, do francês sur-realité) existente no fundo de sua consciência.  Assim, segundo Breton, a poesia seria o instrumento perfeito para liberar o poder criador do homem.  O Surrealismo foi o mais importante movimento de vanguarda da era moderna e influenciou profundamente a literatura.

O Modernismo apresentou (e apresenta) diversas facetas nos vários países em que se desenvolveu.  Por sua quase contemporaneidade, torna-se difícil falar sobre todos os autores considerados importantes na literatura mundial.

 

CARACTERÍSTICAS

- Revistas literárias.

- Contra a literatura de tradição romântica e simbolista.

- Tentativa de derrubar as formas estéticas convencionais.

- Movimentos de vanguarda.

- Poesia irreverente.

- Ideologia irreverente.

- Ideologia irracionalista.

- Anti-humanismo.

-  Anticristianismo.

- Ruptura com o passado.

Cumpre lembrar que essa linha  periodológica é simplesmente uma convenção para facilitar a compreensão.  As datas não são precisas; são apenas datas convencionais.

Portanto, não podemos achar que, por exemplo, no ano de 1825 iniciou-se o Romantismo porque algum poeta declarou “A partir de hoje inicia-se o Romantismo” e pronto!

Nada disso.  Todo movimento literário é fruto de uma evolução lenta e gradual, e é influenciado pelo movimento anterior e por tendência novas; portanto, os movimentos literários não aparecem isolados uns dos outros, mas interligam-se, às vezes, de modo tão intenso que não podemos distingui-los.  Por isso, devemos ter sempre em mente dois conceitos bem definidos, para compreendermos a literatura:

- um movimento literário é sempre ele mesmo, mais o movimento anterior, mais o movimento posterior.

- cada período literário é influenciado e regido pelas características (políticas, econômicas, sociais, filosóficas, religiosas, geográficas morais, etc.) contemporâneas a ele.

Assim, a visão de mundo de cada período é diferente da nossa visão, hoje.  Cumpre ao leitor pesquisar e informar-se a respeito da posição histórica de cada período literário, para não obter apenas uma visão parcial do valor da obra que analisa.

Nunca se esqueça que o homem medieval não pensava e não vivia como nós; assim como o homem renascentista não pensava e não vivia como o homem medieval (e nem como nós), e assim por diante.

 

Fonte:  Difusão Cultural do Livro/Ensino Dinâmico de Pesquisa.

Pesquisa e Postagem/Nell Morato