Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
11





                                              

                            

 

 

 


Em Uma Palavra
Em Uma Palavra

EM UMA PALAVRA


Gosto de sínteses.

Um inspirado autor desconhecido já registrou que escrever é a arte de cortar palavras. A máxima ainda é atribuída a Carlos Drummond de Andrade, mas o próprio poeta, inquirido pelo cronista Armando Nogueira, negou a autoria, ressalvando sua total concordância com a mensagem. Poetas são especialistas em dizer muito com poucas palavras, pois sabem escolher aquelas que nos tocam o coração.


O próprio Armando Nogueira, que era um cronista-poeta, exemplifica a importância da releitura seletiva com o célebre conto do inglês John Ruskin sobre o vendedor de peixes. O homem colocou na sua banca o cartaz “Hoje vendo peixe fresco” e perguntou a um amigo escritor se estava bem escrito. O amigo observou: “Você notou que todo dia é sempre hoje? Dispensável, portanto, essa palavra inicial”. Ficou “Vendo peixe fresco”. Nova observação: “Numa feira, vende-se, né?”. Caiu o verbo e ficou “Peixe fresco”. Outra pergunta: “Por que apregoar que o peixe é fresco? Você não vende peixe estragado”. O cartaz resumiu-se, então, à palavra “Peixe”, que também foi retirada quando o escritor argumentou que a mercadoria estava exposta e descrevê-la seria um menosprezo à inteligência da clientela. Sem o aviso, conclui o conto, todo o estoque foi vendido.


É uma alegoria, obviamente. Mas mostra magistralmente como as frases podem ser poupadas de desgastes desnecessários. O exemplo da síntese mais significativo para mim vem de uma história bem mais antiga, e da cabeça de um filósofo, o chinês Confúcio, que passou a viga apregoando a ética e a justiça. Um dia, foi desafiado por seus seguidores a definir todo o seu código moral em uma só palavra e respondeu de pronto:

- Reciprocidade!

Simples assim: não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem. Ou, de forma positiva, procura fazer aos outros o que gostarias que fizessem para ti.


Pois bem, os cronistas podem ser um pouco mais prolixos (que é uma palavra adequada para o que estamos abordando). Não têm a obrigação de serem tão sintéticos. Tanto que escrevi tudo isso para dizer que concordo plenamente com a escolha de Bob Dylan para o Nobel de Literatura. Ele sabe escolher as palavras que nos chegam ao coração.


Fonte: ZeroHora/Nílson Souza (nilson.souza@zerohora.com.br) em 21/10/2016