Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                              

                            

 

 

 


Cidadãos Indígenas por Arnaldo Leodegário Pereira
Cidadãos Indígenas por Arnaldo Leodegário Pereira

“Cidadãos indígenas”                                                     

 

(crônica)

 

Segundo os técnicos e historiadores, a desnutrição indígena em Mato Grosso do Sul tem sua origem no descobrimento do Brasil, quando se iniciou o processo de colonização e catequização para torná-los “civilizados”.

E de acordo com os dados oficiais até o ano de 1500, viviam no Brasil cerca de cinco milhões de nativos, (índios) hoje a população indígena é de quase (900) novecentos mil indivíduos, nas aldeias e distribuídos nas grandes cidades e, constam desses mesmos dados que a segunda maior população indígena está em Mato Grosso do Sul.

Os indígenas brasileiros foram expulsos de suas terras, hoje perambulam pela periferia das grandes cidades, mendigando emprego, pão e direito a ser cidadãos, recebendo desprezo e discriminação. As “reservas” indígenas são apenas projetos ridículos que não chegam a sair do papel, quando saem não atendem às necessidades dos mesmos.

É comum ouvir ou ver alguém dizer que  não gosta de índio, que índio é vagabundo, preguiçoso e etc. Porém esquecem-se que esta terra (É) deles. E que quando os portugueses aqui chegaram, eles já viviam e eram sim os verdadeiros donos da terra de fato e de direito!...

Eles foram escorraçados, seu povo foi humilhado, sua cultura foi saqueada, suas  mulheres violentadas...

Nem caça, nem pesca nem terras!...

Tornaram-se vítimas da “civilização Branca”!!!

A partir daí, eles passaram a ser dominados pelo homem branco que lhes subtraiu a inocência, seus hábitos, seus costumes, suas terras, sua crença, ou ainda sua liberdade, chegando quase à extinção total de nações inteiras de várias etnias indígenas. Em Mato Grosso do Sul não foi diferente. Quando foram criadas as “aldeias demarcadas” pela FUNAI, seus espaços ficaram reduzidos a míseras e insignificantes “reservas” que não lhes deixa opções. Não tendo como plantar, eles veem-se obrigados a ir para as cidades procurar emprego e moradia, ou arrendar suas poucas terras para fazendeiros inescrupulosos, ficando submetidos assim a todo tipo de exploração.

          Para que seja minimizado o problema da fome indígena no Brasil de uma forma geral é necessário que haja novas demarcações de terras, ampliação das áreas de plantio, e que se criem programas de acompanhamento por técnicos e engenheiros agrícolas, fornecimento de sementes, e fixação dos mesmos no campo, dando-lhes escolaridade e profissionalização, assistência médica e infraestrutura para estas aldeias criando-se assim novos e dignos cidadãos indígenas.

 

Este texto está registrado no  Escritório de Direitos Autorais sob o nº 618-350 livro 1-186 Folha 234 Em 14/10/2013 RJ.

 

Arnaldo Leodegário Pereira