Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
10





                                             

                            

 

 

 


As Pirâmides de Christo Javacheff
As Pirâmides de Christo Javacheff

AS PIRÂMIDES DE CHRISTO

 

Aos 83 anos, o midiático artista instala sua nova megaescultura em Londres. E prepara outra oito vezes maior para Abu Dhabi.

 

Usando um capacete e uma jaqueta cargo, o artista Christo parou sobre uma plataforma acima do Lago Serpentine e viu sua nova criação ganhar vida. Enquanto os patos deslizavam pela água, homens em macacões cor de laranja montavam a instalação, com um guindaste sobre suas cabeças.

 

Até 23 de setembro, THE LONDON MASTABA, o primeiro grande trabalho ao ar livre de Christo na Grã-Bretanha, estará flutuando no meio do lado no Hyde Park. A escultura, uma pirâmide trapezoidal de 7.506 barris pintados e empilhados horizontalmente, é tão alta quanto a esfinge do Egito. Nomeada em homenagem a uma estrutura de teto plano com lados inclinados construída há 6 mil anos na Mesopotâmia (a palavra “mastaba” significa “banco” em árabe), constitui um teste para um trabalho semelhante, mas oito vezes maior, que Christo instalará no deserto de Abu Dhabi.

 

O projeto londrino é menos ambicioso do que outros de Christo, artista de 83 anos nascido na Bulgária e sua mulher, Jeanne-Claude, morta em 2009. Eles já construíram uma cerca de 40 quilômetros no norte da Califórnia e envolveram em tecido a Pont Neuf ,em Paris, e o prédio do Reichstag, em Berlim.

 

Instalar a escultura em Londres, no entanto, não foi fácil. Christo precisou pagar os US$ 4 milhões que o projeto custou sozinho (o que não chega a ser novidade: ele faz isso em outros projetos vendendo objetos de arte). Dinheiro arrecadado, passou um ano em busca das permissões das autoridades locais. A montagem, em si, durou dois meses e meio.

 

- Cada trabalho nosso é como uma expedição, algo incrivelmente revigorante. Adoro estar aqui com os trabalhadores. Gosto desse processo. Essa jornada é incrível, é inesquecível – disse o artista em uma entrevista.

 

Os materiais para fazer a escultura foram transportados por mais de 70 caminhões. O sobrinho de Christo, Vladimir Yavachev, que supervisiona todos os projetos públicos ao ar livre do artista, parecia pouco preocupado.

 

- Christo tem um grande senso de engenharia – justificou.

 

Yavachev, que trabalha com o tio desde 1991, relata, bem-humorado, que eles brigam muito, mas que “é mais fácil trabalhar com a família, porque você pode gritar com o chefe”.

 

THE LONDON MASTABA repousa sobre uma plataforma flutuante ancorada no leito do lago. Está coberta com uma armação de andaimes de aço nos quais os barris estão presos. A obra faz parte do programa de verão das Serpentine Galleries e pode ser vista junto a uma exposição de esculturas, desenhos e colagens sobre o trabalho de Christo.

 

O diretor artístico das Serpentine, Hans-Ulrich Obrist, diz que abordou Christo após ver a instalação FLOATING PIERS, de 2016, no lado Iseo, na Itália, na qual, calçadas feitas de tecido foram dispostas sobre a superfície da água. As conversas começaram, e Chrisco viajou para Londres. Em uma caminhada pelo Hyde Park, “ele apontou para o local onde a escultura ficaria”, conta Obrist, lembrando a determinação do artista em montar uma mastaba flutuante, “uma forma pela qual é obcecado há muito tempo”.

 

Christo nega que a grandiloquência seja sinal de um ego superdimensionado.

 

- Há muito humor no meu trabalho – afirma. - Minhas obras são muito simples e não são intimidadoras.

 

Mas fazê-las acontecer é sempre um exercício de alto risco, acrescenta.

 

RUNNING FENCE – que ficou montada por duas semanas, em 1976, nas propriedades privadas de 59 ranchos californianos – exigiu 42 meses de discussões, 18 audiências públicas e três sessões dos tribunais da Califórnia. Alguns oradores se ressentiram da cerca, então as máquinas de Christo foram destruídas e houve ameaças de bombas contra a instalação.

 

- Precisávamos ter um avião sobrevoando sempre – conta.

 

O projeto de embalar a Pont Neuf quase fracassou quando o prefeito de Paris tentou revogar uma concessão que o artista tinha conseguido para a obra. O projeto do Reichstag envolveu testes prévios em um castelo e em um galpão de avião, guarda-costas para Christo por causa das ameaças de morte que sofreu e uma votação parlamentar pedida pelo principal adversário do projeto, o chanceler alemão Helmut Kohl. THE LONDON MASTABA não enfrentou nada nem semelhante a esses problemas.

 

Agora, a próxima grande novidade para Christo é a MASTABA DO DESERTO. Ele ainda não tem certeza se o projeto poderá se materializar, mas diz:

 

- Estamos avançando.

E prossegue:

- Espero viver para ver que esse projeto aconteceu. Isso é o que é mais importante, que ele aconteça.

 

 

Fonte: Zero Hora/Caderno Doc/Farah Nayeri/The New York Times em 22/07/2018.