Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
13





                                             

                            

 

 

 


Análise sobre as Tragédias de William Shakespeare
Análise sobre as Tragédias de William Shakespeare

ATÉ TU, BRUTO?

 

Há histórias que, embora perfeitamente conhecidas, continuam a exercer sobre o mundo, ou sobre parte dele, o solene fascínio dos sonhos e dos vaticínios. Assim é, por exemplo, o relato da Paixão de Cristo: todos sabem que Jesus será preso, morto e sepultado, que descerá à mansão dos mortos e ressuscitará ao terceiro dia; ainda assim, a cena se repete todos os anos na mente de boa parte da humanidade, sem perder, ao longo das infinitas refrações, seu impacto profundo sobre o coração humano. O mesmo acontece com a morte de Júlio César. Há 2061 anos, o grande conquistador tombava no Senado romano, apunhalado 23 vezes por seus antigos aliados – entre eles, o amigo dileto e talvez filho bastardo, Marco Júnio Bruto. Reza a lenda que, ao reconhecer aquele rosto, em meio à agitada selva dos punhais, César teria lançado suas palavras derradeiras, recordadas pela posteridade em duas variantes. Segundo um antigo boato – referido, mas não corroborado, por Suetônio, Plutarco e outros –, a frase teria sido pronunciada em grego, língua falada pelos romanos cultos, Kai su, teknon: “Tu também, filho?”. A segunda versão foi cunhada por latinistas da renascença, já no século XVI, e até hoje é utilizada para denotar aquela mistura de escândalo e incredulidade que nos afeta ao descobrirmos uma traição inesperada: Et tu, Brute? - Até tu, Bruto? Esse epigrama fatídico e talvez imaginário ganhou imensa popularidade graças a William Shakespeare, que o incluiu em uma cena crucial na TRAGÉDIA DE JÚLIO CÉSAR, escrita muito provavelmente em 1599 – cerca de um ano após HENRIQUE V, e um ano antes de COMO GOSTAIS e HAMLET.

 

Quando Shakespeare sentou-se para compor seu relato de traições honradas e amizades traiçoeiras, o enredo da peça já era perfeitamente conhecido por todo inglês educado. Ainda assim, o autor soube encontrar, no repisado conto, aquele espírito universal que faz uma narrativa derrotar o tempo, as repetições e até o conhecimento prévio da plateia. Não há maior criadora de spoilers do que a própria História: mas o escritor de gênio sabe fazer dessa dificuldade uma virtude. Nas mãos do Bardo, a antevisão dos acontecimentos se transforma em um recurso que acentua o drama, em vez de desgastá-lo. A tática Shakespeariana em Júlio César haveria de se incorporar, séculos depois, à palheta dos filmes de suspense: nós sabemos, sim, o que está para acontecer; mas os personagens não sabem. A tensão entre a iminência dos fatos, que já conhecemos, e as ações dos personagens, que os ignoram, resulta em aguçado efeito estético, cuja urgência jamais de esgota e cujo vigor não envelhece. “Cuidado com os Idos de Março”, alerta o Vidente, no início da peça – todas as plateias do mundo sabem que ele está certo; para César e seus seguidores, contudo, essa pode ser apenas a voz de um louco. As hesitações, renitências, premonições, devaneios e arroubos de romanos e romanas, para quem o futuro é uma treva mutável, contrastam com a engrenagem implacável do destino; enquanto isso, meteoros e relâmpagos rasgam o céu num dilúvio de agouros – indecifráveis para os personagens da peça, nítidos para nós. Desenhadas neste fundo claro-escuro, a grandeza e a pequenez humanas se sobressaem com trágica e elegante nitidez. Uma das passagens que exacerbam esse efeito é a própria cena do assassinato. Sem saber que está prestes a morrer, César pronuncia um dos mais retumbantes autoelogios da literatura – aqui reproduzido em minha própria tradução:

 

Eu sou constante como a estrela boreal

de cuja natureza firme e inamovível

não há qualquer rival em todo o firmamento.

Com fagulhas sem conta o céu está pintado:

todas são fogo e, como fogo, todas ardem;

porém, apenas uma é fixa e não se move.

Assim, no mundo: é vasta a provisão de homens,

homens de carne, e osso, e alma, e pensamento;

mas na constelação humana, eu só conheço

um único capaz de se manter imóvel,

alheio às mutações, perene: e ele sou eu.”

 

Poucas linhas depois, Júlio César cairá aos pés da estátua de Pompeu, co a toga perfurada, encharcado de sangue. Tragédia e ironia se combinam, aqui, em um equilíbrio talvez inigualável.

 

A obra, contudo, não se encerra com a morte do personagem-título: os dois atos finais tratam do destino de Bruto e dos demais conspiradores. Vale aqui mencionar, aliás, uma peculiaridade distintiva desta “peça romana”: é muito difícil, senão impossível, decidirmos se o protagonista do enredo é de fato Júlio César, como sugere o título, ou eu principal assassino, Bruto. Em termos de intriga política, Shakespeare cria uma situação maravilhosamente ambígua: durante toda a peça, as simpatias da plateia são lançadas continuamente entre um lado e outro, até assentar, em uma espécie de “imparcialidade filosófica” (a expressão é de Coleridge). César, em alguns momentos, surge como figura heroica, carismática, dotado de uma grandeza autoconsciente; em outros lances, é um velho orgulhoso, cheio de achaques, cruel, ciumento e tirânico. Para acentuar o lado demasiado humano do personagem, Shakespeare até lhe inventou uma enfermidade: na peça, César é surdo de um ouvido, coisa que nenhum historiador antigo menciona. Mesmo sublinhando essas e outras fraquezas do ditador romano, Shakespeare não nos deixa simpatizar completamente com seus algozes: a maioria age mais por inveja do que por dever cívico. A exceção é o próprio Bruto. Na Divina Comédia, Dante colocou-o no mais profundo círculo do inferno, para purgar eternamente a suprema traição; Shakespeare, contudo, não o representa como um vilão, mas como um homem de rigorosa consciência, hesitante entre o cumprimento de dois deveres sagrados. Por um lado, César é seu amigo; por outro, César é ambicioso, tende à autocracia, ameaça a tradição da República. Após muita reticência e remordimento, Bruto acaba decidindo que deve amar Roma acima de César. Mas a dolorosa escolha não serena suas atribulações: perseguido pelo vingativo fantasma do amigo morto e caçado pelos exércitos de Marco Antônio, bruto acaba seus dias à mais romana das maneiras: caindo sobre a própria espada. E só assim, quando se fecha o círculo do tempo e o compasso da Fortuna, os espíritos de Bruto e César podem descansar, lado a lado, no Além e na memória humana.

 

Fonte: Correio do Povo/Caderno de Sábado/José Francisco Botelho (Escritor, tradutor de ROMEU E JULIETA e a traduzir JÚLIO CÉSAR para a Penguin/Companhia das letras) em 22/04/2016.