Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
6





                                              

                            

 

 

 


A Verdade Diverte
A Verdade Diverte

A VERDADE DIVERTE

 

Expus ao meu priminho Gonçalo, seis anos, uma questão que tenho escutado várias vezes:  o filme infantil Divertida Mente é de fato para crianças?  Com a seriedade dos pequenos, que nunca estranham que um grande lhes peça opinião, ele ponderou que sim, já viu duas vezes.  As crianças de hoje não têm temores nem constrangimentos para abordar assuntos delicados.  Uma vez informados do que se trata, não há sobre o que não possam, a seu modo, opinar:  morte, justiça, famílias, velocidade dos carros, ecologia, religião.

A ficção infantil não precisa escolher temas fáceis ou soluções planas, se for bem feita, será bem-vinda.  Isso garante o sucesso de filmes como Up, que trata da velhice, dos antigos Bambi, no qual a mãe de um bebê é assassinada, Rei Leão, que enfoca a morte do pai e a autoculpabilização do filho por isso, Os Incríveis, em que um pai super-herói sofre da depressão do desemprego, Shrek, que prega a valorização da autenticidade da imagem, e tantos outros.

O público adulto finge, bate palmas por convenção, tem medo de não saber discernir entre um espetáculo difícil e um ruim.  As crianças fazem uma avaliação direta:  se a peça, show ou filme forem cativantes, ficarão atentas, se não, a bagunça se instala.  E não sejamos injustos achando que só aprovam pastelão, lutinhas e cantorias edulcoradas.  Divertida Mente está aí para demonstrar o contrário.

Nessa história, as personagens não poderiam ser mais abstratas:  a Alegria, o Medo, a Raiva, o Nojo e a Tristeza.  Dentro da cabeça de uma garota de 11 anos que precisa enfrentar o desafio de mudar de cidade, eles cumprem seus papéis e, principalmente, disputam com a Alegria a condução da vida de Riley.  A trama leva-nos a concluir que o protagonismo da Tristeza é decisivo para a adaptação dela.  Sem as lágrimas necessárias, que também se devem ao fim da infância e à constatação de que os pais estão igualmente atrapalhados, não acontece a elaboração das perdas.  O filme também é bem claro de que tudo o que não for enfrentado, por ser doloroso, levará consigo para o esquecimento as preciosas memórias.  Aquilo sobre o que não se pensa tampouco é lembrado, pois enfocar algo significa descobrir em que parte da nossa mente vamos guarda-lo.

É fundamental para as crianças ver seus conflitos psíquicos tratados com empatia e seriedade.  É um alívio ver seus pais recebendo desse filme a lição de que elas têm direito à tristeza e não precisam bancar os bobinhos da corte.  O dever de ser feliz e de gozar a vida é um fardo para a infância contemporânea.  Como lucro suplementar, verão que, por dentro, é comum que os adultos tenham as mesmas minhocas, pois elas percebem nossas fragilidades.   É como no teatro infantil:  não adianta enganar ou ser falsamente simplório, seja verdadeiro e elas aplaudirão.

 

Fonte:  ZeroHora/Diana Lichtenstein Corso (dianamcorso@gmail.com) Psicanalista/ em 25/10/2015