Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese




ONLINE
7





                                              

                            

 

 

 


A Arte Criativa de Contar Histórias
A Arte Criativa de Contar Histórias

 

A arte criativa de contar histórias

 

O momento da contação de história é o ápice de um processo em que circulam diversas variáveis. A história a ser contada, o público, o contador, o evento, e os elementos cênicos (figurino, objetos utilizados, cenário, ambiente, som, iluminação) são alguns exemplos.

O que capta a atenção do ouvinte, no entanto, assim como do apreciador de uma música ou de uma obra de arte, parece ser considerado como “a essência do mistério criativo” e está presente em todas as formas de expressão.

A expressão em uma performance narrativa terá o “tom” que o contador imprimir à sua apresentação. Esse “tom” está relacionado à sua história de vida, suas experiências e interações. É a criatividade pessoal que transforma as vivências em meio de expressão. O sujeito que conta a história pode conseguir, ou não, tocar o coração de quem ouve. Isso dependerá também, como em qualquer outra linguagem artística, da interação que se conseguir estabelecer com o interlocutor. Se houver uma ressonância com as suas vivências, o narrador terá a felicidade de promover um contato íntimo dele consigo mesmo e com o outro, promovendo resgate, ressignificação e até cura para ambos.

É importante que o contador de histórias se aproprie das variáveis contidas no campo fértil da tradição oral. Que ele conheça histórias para contar, domine técnicas de contação e sensibilização do público, tenha sabedoria para escolher o traje adequado, a ambientação favorável, músicas, elementos, sons e luzes que chamem atenção. Porém, é essencial, diria mais ainda, é vital, que o contador expresse a sua verdade interior quando ele for se apresentar. Sem ela, sem nossa verdade intrínseca, não adianta memorizar a história, criar vestimentas mirabolantes nem utilizar recursos diferenciados.

Nada nem ninguém poderá nos lançar ao mundo senão nós mesmos, por meio de nossa essência.

Luciana Ávila



Luciana nasceu em março de 1974 na cidade de Salvador – Bahia. Como todo pisciano que se preza, é uma sonhadora e imaginadora de mão cheia. Adora a magia dos livros infantis… Tem dois filhos muito criativos que lhe acolhem e apoiam nas suas ideias, co-criando muitas produções!